Mr. Writer

Como vocês devem ter notado, as últimas semanas foram meio atribuladas pra mim. Quer dizer, atribuladas elas seriam se eu estivesse organizando um casamento ou perdendo o prazo pra um projeto, na verdade elas foram é uma merda mesmo. Mas como diz uma música bonitinha do Oasis “these are crazy days but they make me shine” (fofo, não? os Gallagher são fofura total, sempre disse) e eu resolvi aproveitar a nova perspectiva que as perdas, bebedeiras, brigas e horas olhando pro teto me deram pra tomar algumas decisões quanto à vida.

Uma dessas decisões foi a de levar certos aspectos da minha vida mais à sério, principalmente a literatura. (Quer dizer, na verdade só a literatura, o resto eu provavelmente vou deixar como está mesmo) E quando eu falo mais a sério é em termos de me dedicar mais ao que eu escrevo.

Não que eu escreva pouco, em termos de quantidade. Na verdade eu escrevo até bastante, mas de forma desorganizada, caótica e sem definir nenhum tipo de prioridade, começando e largando projetos, deixando de lado coisas que poderiam ser rentáveis ou ganhar algum destaque para me dedicar a outras tão bizarras que só vão servir pra que eu leia e fique rindo sozinho, algo por aí. Não que isso não seja muito divertido, mas eu acho que devo a mim mesmo e a algumas pessoas que confiam no meu potencial um pouco mais de responsabilidade com as coisas que eu escrevo. Claro, apenas um pouco, mas já é alguma coisa, não?

E decidi começar esse processo listando todos os projetos em que eu estou teoricamente envolvido, desde projetos pessoais como meu livro de contos que nunca sai até projetos coletivos como o Farrazine, projetos eternamente engavetados como os meus curtas com o Yuri, e projetos em dupla, como os curtas que e o Ronaldo Campbell ainda planejamos fazer ou as minhas HQs em parceria com o Diangello e o Dias. E bem…é muita coisa…Mas tendo isso listado vai ficar mais fácil priorizar o que está mais adiantado ou tem mais chance de realmente rolar, mas sem, é claro, deixar de lado as idéias absurdas e esquizofrênicas, que provavelmente nunca vão sair do papel, mas são as que quase sempre me deixam mais feliz.

Em suma, não é que eu vá desistir da minha mini-série em quadrinhos dando uma abordagem de comédia romântica ao tema dos mortos-vivos (sério, eu tenho 5 páginas de roteiro prontas e é uma das coisas mais legais que eu já fiz) ou do meu piloto de série dramática sobre um humorista de stand up gago que viaja no tempo pra impedir a gripe espanhola de matar os antepassados da única mulher que ele amaria na vida, nada disso. Eu apenas vou tentar priorizar projetos mais sólidos e mais recompensadores no curto prazo, como escrever pro jornal do Thiago e do Ulisses no Espírito Santo (se eles ainda toparem publicar algo meu), terminar “Tarantino”, uma história em quadrinhos do Justiceiro que eu e o Diangello fizemos há algum tempo atrás, concluir meu livro de contos pra começar a procurar uma editora e até mesmo tentar colocar em prática um projeto que haviam me proposto envolvendo transformar o Capitão Confiança em animação.

Mas claro, mais do que produzir, eu preciso aprender a divulgar. Afinal, qualquer pessoa que me conhece sabe que eu tenho sérios problemas em relação a expor as coisas que eu faço, primeiro pela minha timidez e depois porque a divulgação sempre foi uma atividade menos…instigante…do que a criação em si. Exemplo disso é o fato de “Sexo Mata” e “Perspectiva 2” ainda não estarem no Youtube e “Manuela” ter sido menos divulgada do que o cd novo do New Kids on the Block (vocês não adoram aquele clipe? é uma “we used to be boys but now we’re just bald dudes” band!) . Então eu decidi, ainda que o Diogo Mainardi diga que a divulgação de uma obra te leva a tomar as atitudes mais aviltantes do mundo, me dedicar mais a divulgar as coisas das quais faço parte. Afinal, se Van Gogh vendia os quadros dele na rua, o que eu posso perder sendo um pouco incômodo com muita gente para divulgar as coisas que eu escrevo? E porque só agora eu notei que me comparei com um cara que, mesmo sendo muito mais talentoso, morreu na miséria e sem uma orelha?

Então a primeira medida nesse meu processo de tornar minha produção mais metódica, palpável e divulgada é tentar resolver as pendências com o material já produzido. Ou seja, upar para a internet os curtas que eu já fiz (uma promessa tão antiga quanto…humm…pense em algo muuito antigo…e agora tente pensar em algo que veio antes…então, isso foi cinco minutos depois de eu ter prometido upar os filmes), tentar colocar “Manuela” disponível em sites de quadrinhos on-line e ser mais ativo na divulgação do Farrazine. E, além disso, também farei posts periódicos aqui no blog pra me obrigar a prestar contas a mim mesmo sobre o quanto estou me esforçando nisso e claro, obrigar vocês a fingir que estão interessados. Legal, não?

Bem, é isso. Vamos ver se eu consigo sair dessa com as duas orelhas. Até mais.

(P.s: Também queria agradecer a todo mundo pela força que vocês me deram aqui no blog. Desde o apoio moral até as dicas de filmes e músicas animadoras, vocês foram realmente muito legais e prometo não me suicidar ou virar emo. E claro, da próxima vez que eu for beber eu chamo vocês.)

Anúncios

9 Comentários

Arquivado em Sem Categoria

9 Respostas para “Mr. Writer

  1. ThiagoFC

    Go get ‘em, tiger!

    Win, Rocky, win!

    Quanto ao Van Gogh: os New Kids têm muuuuuuuito menos talento e muuuuuuuuuuito mais dinheiro (E nenhum deles perdeu uma orelha, pelo o que eu sei). Talvez você só precise de uma nova fonte de inspiração!
    Isso foi zoação. Pelamordedeus, não se inspire nos New Kids! Se inspire em alguém talentoso que teve reconhecimento em vida e ficou podre de rico graças ao talento. Tipo o Ronaldo Fenômeno (pergunte aos pais deles, lá em Muriaé, o que esse garoto comia quando criança….).

  2. Ana Tereza Otoni

    Ta bom coloquei a mesma coisa no meu blog….bom ta lá…espero q vc consiga! rs

    quero ver os curtas!

  3. Cara, nem nos conhecemos na verdade. Mas entro no seu blog direto. Deixa de ser procrastinador como eu e organiza suas coisas! Afinal de contas, fingindo interesse, você tem um talento pra escrever. E daquelas coisas que se encontra na internet em universo de blogueiros e realmente vale alguma divulgação.

    (e cá entre nós, isso de vida de banco deve ser um saco…)

  4. Juninho

    Mais um monte de promessas de campanha…
    Já to vendo vc, daqui a alguns anos, como o Maluf, falando:
    “Eu que fiz isso…””Eu que fiz aquilo…”

  5. Mateus TG

    precisas de um empresário?

  6. vc está me devendo mais responsabilidade com as coisas que escreve.
    e eu vou cobrar. tenho descendência indireta de judeu hein

  7. VIVA! Se precisar de ajuda para divulgar online, tenho aprendido umas boas estatégias de divulgação via twitter. Aliás, seria bom você criar um twitter para você. No início, parece um negócio bem idiota.. Mas é ótimo pra fazer contato, se informar de novidades e, claro, divulgar o seu trabalho.

    Ainda mais que os seus textos são muito gostosos de ler. Divulgar vai ser fácil. Topando no msn qualquer dia desses, a gente bola uma estratégia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s