Problemas práticos do romantismo teórico – I

Eu sempre considerei que o “eu te amo” é uma dessas declarações contundentes que, junto com “a bolsa ou a vida”, “eu sou seu pai” e “o prédio vai explodir em 5 segundos, Griggs!” não admitem nenhuma ou praticamente nenhuma réplica. Na verdade eu acho que a única réplica decente pra um “eu te amo” é um “eu te amo também”, e mesmo assim depende muito da situação e acaba tirando um pouco do poder da frase. Um “eu te amo”, quando bem dito, é teoricamente a expressão verbal máxima daquilo que você, naquele momento, sente por aquela pessoa, não sendo portanto algo sobre o qual se deva pedir explicação detalhada, justificativa, complementação ou mesmo batatinhas pra acompanhar. Mas vamos a alguns exemplos.

Um hábito irritante que algumas pessoas têm, principalmente em começo de namoro é responder a um “te amo” com um “quanto?”. “Quanto você me ama, amor? Muito?”. A isso quase sempre se segue ou uma “discussão” melosa (“te amo um muitão!” – “não, eu te amo um muitão maior!” – “não, eu te amo um muitão maior ao quadrado”) e que acaba desvirtuando totalmente o valor intrínseco da declaração. “Eu te amo” é algo que tem significado por si só, sem precisar ser quantificado como fome, sono, ou vontade de ir ao banheiro (“tô precisando ir ao banheiro, mãe!”- “muito?” – “não, eu espero você sair do banho, mas não demora!”), ou seja, se você ama alguém, você ama. Não dá pra amar um pouquinho ou amar pra caralho. Amar um pouquinho é “gostar” e amar pra caralho é ser grosso pra caramba e não saber se declarar pra alguém de forma educada. Amar costuma ser algo claramente notável, depois que acontece: você ama e pronto. Intransitivamente.

Outra réplica clássica é o  “sério?” ou “jura?”. Você, cheio de sentimento, apaixonado, debaixo daquela lua cheia, ao som de violinos (e odiando os violinos, mas tolerando porque não quer destruir um clichê tão bem montado), diz pra mulher da sua vida o primeiro “eu te amo”. Ela se vira e diz “sério?”. O que mais você pode fazer além de dizer “não, na verdade eu estava de sacanagem…te peguei!” e dar um peteleco na orelha dela? Não se brinca dizendo “eu te amo”. Se você fosse brincar diria “olha lá atrás de você!” ou “o que perguntaram pro cavalo quando ele entrou num bar?”. Se uma pessoa se anima a dizer uma coisa dessas ela provavelmente está falando sério, saiba.

A verdade é que a grande maioria das pessoas não sabe dizer e nem sabe reagir a um “eu te amo”.  Quando dizemos “eu te amo” quase nunca é planejado ou pensado. Você as vezes não diz isso naquela noite em que ela está linda e age perfeitamente e sim naquela noite em que ela vomita no seu colo e fica cantando o maldito hino do São Paulo na sua orelha, porque foi naquele momento que você notou que se podia tolerar uma garota agindo daquele jeito, só podia ser amor. Você não diz “eu te amo” logo quando ela diz, o que faz com que ela se sinta insegura e te odeie durante semanas, mas sim depois que ela faz uma ridícula imitação do Nemo do desenho pelo telefone e você percebe que achou aquilo uma das coisas mais lindas do mundo. Da mesma forma você pode reagir a um “eu te amo” com um “hein?”, um “ah, tudo bem, mas espera o intervalo do House que a gente fala mais sobre isso…” ou “por que?”, que não são exatamente exemplos de respostas legais pra ocasião. (Ainda que realmente não seja legal interromper uma pessoa vendo House, mesmo se for pra uma declaração de amor.)

Mas talvez seja nisso que esteja a graça da coisa. No inesperado, na confusão, no jogo de diferenças e mudanças, nas frases que não se encaixam, nas reações imprevisíveis, nas pessoas que não sabem o que dizer e nas pessoas que falam demais. Talvez por ser uma frase tão significativa, um “eu te amo” é uma dessas coisas que consegue dispensar procedimentos-padrão, definições de certo e errado e motivar musicais do Woody Allen. E claro, consegue me fazer começar o post todo irritado e terminar com uma conclusão repulsivamente fofa como essa…Me odeio nessas horas, cara…

Mas mesmo fofo e romântico ainda mantenho uma coisa: alguém que responde a um “eu te amo” com um “sério?” merece um tapão na orelha, no mínimo.

Anúncios

19 Comentários

Arquivado em Crônicas

19 Respostas para “Problemas práticos do romantismo teórico – I

  1. e na vez que eu disse “eu te amo”, e a menina falou: “porque disse isso só agora. Demorou tanto!”…

    kkkkkkkkk

  2. Ana Tereza Otoni

    muito bom! depois vou postar um texto novo la no blog…influenciado pelos seus textos!!!

    to evoluindo!

  3. Andrey

    cara, sério, para quem você se declarou? :O [desenho que demonstra surpresa, ou tenta.].

  4. ThiagoFC

    Mas “eu sou o seu pai” é uma declaração contundente que tem uma resposta sim, e tão contundente quanto: “NNNNNNOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!”.

  5. ThiagoFC

    Um exemplo melhor de declaração contundente sem resposta: “THIS IS SPARTA!!!!”. Porra, o que dizer depois disso????

  6. A primeira vez que o Gustavo disse que me amava foi por e-mail. Juro! E ele estava bêbado e disse que eu lembrava a mãe dele (não estou brincando).

    Mas não achei ruim. Mesmo porque, era início de namoro e bizarrices sentimentais são sempre recebidas com um “own”. (Agora, por exemplo, eu reli o e-mail e fiquei puta com a falta de romantismo). AHeuAHueAHUEHAUEHAUE.

    De qualquer forma, foi a melhor coisa que ele fez. Eu sou do tipo de pessoa que faz piada com qualquer coisa. Mesmo quando não devo. Nessa situação, já soltei respostas como:
    – Eu sei. Você não é o único.
    – Obrigada. Sou mesmo adorável.
    – Mentira. Você só quer me levar pra cama.

    Mas também eu nunca liguei muito para o “eu te amo”. Na maior parte das vezes, me parece uma frase encenada. Depois de algum tempo com uma pessoa, você sabe se ela te ama ou não. Mesmo que nunca tenha dito.

    Enfim.

    – THIS IS SPARTAAAA!!!!
    – Eu sei. Eu trouxe um mapa.

  7. paaaty

    outra resposta clássica e estranha.
    – eu te amo!
    – obrigada.

    rs
    bom texto :)

  8. Mateus

    caramba, este blog tá ficando emo!

  9. Esse
    outra resposta clássica e estranha.
    – eu te amo!
    – obrigada.

    só acontece em OC.

    O que merece uma pessoa que responde um ‘eu te amo’ com ‘aah amô, dá nada’?

  10. erica l.

    haha, adorei a tag ‘adorno chupando manga’…

    bom, você não perguntou, mas como caixinha de comentários de blog é quase terapia em grupo (oi, gente, meu nome é érica e eu estou há 2 dias sem conversar com a torradeira… e estou bem… as piadas que ela contava nem eram tão boas, de qualquer forma. obrigada. mais 24 horas!), contar-te-ei minha história do primeiro eu te amo:

    então, essa coisa é muito traumática. na primeira vez que eu ouvi um ‘eu te amo’ assim, for real, não respondi nada… sorri, abracei… porque achei que ainda não era a hora de dizer a mesma coisa. porque eu sempre tenho que ter muuuuuuuita certeza das coisas. e o que se seguiu foi uma cena que nunca vou esquecer. ele disse: “poxa, diz que você gosta ao menos um pouco de mim senão não vou aguentar…” Ai, que dooooor no coração, que dooooor, sinto até hoje relembrando a situação. Aí tentei melhorar, disse que sim, que gostava muito dele… aí ficamos ali, num deck da lagoa, abraçados um tempããão… eu disfarçando o choro, desconfio que ele também… ai, sofrimento!
    Mas, tempos depois, veja você, eu efetivamente vim a amar a mesma pessoa, e disse isso pra ele pela primeira vez num cartão de aniversário… bem timidamente. Colei um adesivo de coração e escrevi um ‘você’. E ele ainda perguntou o que aquilo significava, só pra me ouvir dizendo… É justo, é muito justo! Btw, estamos juntos até hoje!

  11. Eu lembrei disso:
    – Eu não sou seu pai.
    – Sério? Então não sou Pavonense?!
    [Propaganda da Skol. Loucos por futebol]

    “Eu te amo” é um negócio bacana, mas acho mais ainda os momentos de tensão em que ambos sabem que mais cedo ou mais tarde um dos dois vai falar.

    E, João, se o seu pc for bom e você quiser apenas jogar Winning Eleven, não compre um Playstation. Eu instalei o Pro Evolution no pc e roda de boa. Comprei os controles com entrada USB e agora é só meter gol. A palavra ‘videogame’ foi inserida no conto apenas de modo ilustrativo.

  12. “Você não diz ‘eu te amo’ logo quando ela diz, o que faz com que ela se sinta insegura e te odeie durante semanas”

    Ô, nem me fale! Na primeira vez que eu falei pro Vinícius, ele ficou meio sem reação, balbuciou alguma coisa que eu não entendi. Passei bem umas duas semanas esperando ele me “devolver”, mas sabe como é homem, né?
    Por fim, encostei ele na parede chorando, que ele não me amava porque nunca tinha dito isso pra mim… E ele, master sem graça, disse que já tinha dito isso sim, naquele dia.
    Foi a primeira das nossas brigas inúteis!

    • Eu nunca fui a primeira a dizer. Que droga.

      Quem aqui nunca recebeu um eu te amo?

      ô Zé! Eu te amo!

      PRIMEIRAAAAA!!!!

      • monique

        Eu só disse eu te amo pra um cara (e falei antes dele).

        A reação foi mais ou menos como o do namorado da Angélica. Ficou estupefato também, mas depois de uma meia hora ficou sorrindo de jeito idiota e considerei isso um bom sinal.
        =)

        já ouvi eu te amo de outras pessoas, mas a minha reação foi quase sempre de pânico seguido por respostas idiotas.

  13. eu já gosto de resoluções drásticas ou utilitaristas:
    – eu te amo
    – legal.então me compra um sorvete.

    lembro dessa cena, mas não lembro do resto. As meninas podem ser imensamente cruéis às vezes.Teve aquela outra também:

    – eu te amo
    – e por que você veio dizer isso logo pra mim?

    sorte que das duas vezes que eu disse eu estava mentindo

  14. Juninho

    caramba, este blog tá ficando emo! [2]

  15. Wellington

    Mas, diz ae “O que perguntaram pro cavalo quando ele entrou num bar?”.

  16. alice

    geralmente eu me sinto: “cara, eu ainda n tenho certeza nem se vc me conhece direito, vc ama oq vc acha q eu sou”

    mesmo que eu já tenha passado tardes desenhando o nome dele no meu caderno sem conseguir me concentrar no estudo tendo prova no dia seguinte, eu não saio me declarando assim desse jeito ‘precipitado’ (oi?)

    tb n acho q é uma coisa pra ser dita toda hora… tipo:

    – alo
    -amor, to saindo daqui, chego em meia hora pq ta um transito do caralho
    – ta bom
    -beijo *já afastando o fone da orelha*
    -beijo, te amo

    cara, é uma declaração desperdiçada… faz as outras perderem um pouco de valor (oferta e demanda)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s