The airplane song

Eu nunca viajei de avião. Não sei se isso chega a ser uma surpresa dado o imenso número de coisas que eu nunca fiz (eu nunca disputei uma partida de futebol profissional, eu nunca desenhei a mão livre um círculo decente, eu nunca pilotei um tanque de guerra, eu nunca me vesti de cachorro, eu nunca fiquei com uma ruiva, eu nunca fui arauto de Galactus, o devorador de mundos, eu nunca toquei numa banda, eu nunca fui exorcizado pelo pastor Silas Malafaia e por aí vai) mas é uma dessas coisas com as quais eu realmente nunca me preocupei e sobre as quais eu admito que nunca tive curiosidade. Tipo, avião, voa, entendi, ok, tudo bem, se for pra acontecer vai acontecer, se não for não vai e tudo mais.

Mas agora que eu sei que realmente vou viajar de avião (na verdade eu tenho mais passagens de avião compradas do que camisas sociais limpas. O que não quer dizer que eu tenha tantas passagens mas é um bom lembrete de que eu tenho que deixar as camisas na lavanderia) comecei a sentir uma sensação muito familiar. Sim, eu estou com medo. Muito medo. Pânico mesmo. O que, é claro, também não chega a ser exatamente uma surpresa diante do tanto de coisas das quais eu tenho medo (eu tenho medo de altura, tenho medo de ursos, tenho medo de mulheres muito altas, tenho medo de ser inconveniente, tenho medo de ficar careca, tenho medo de acordar e descobrir que virei um basset, tenho medo de ficar estagnado no trabalho, tenho medo de relacionamentos, de comidas feitas com milho e por aí vai), mas isso realmente tem ocupado minha cabeça sempre que eu penso nas viagens, o que, ainda que não retire o elemento de “ueba, tô viajando” acaba adicionando um elemento de “nossa, que puxa” que realmente me preocupa.

Primeiro pelas razões óbvias. É um avião. É uma grande caixa metálica com asas e motor levando centenas de pessoas através do céu e desafiando uma das poucas leis que ainda são respeitadas no nosso país, a da gravidade. Eu sei, eu sei, várias pessoas já passaram por isso e deu tudo certo, todos se saíram bem e o índice de acidentes é menor do que o de uma viagem de carro, por exemplo. Ótimo. Mas me disseram basicamente a mesma coisa sobre namoros a distância há uns três anos atrás e hoje eu estou solteiro, certo? Fora que bem, eu vejo Lost. Eu vi Duro de Matar 2. Eu vi Pearl Harbor (sim, eu sei, era uma guerra, mas nunca se sabe se japoneses não vão atacar o meu avião, correto?). Aviões caem, merda acontece, pessoas ficam presas em ilhas e depois da terceira temporada eu simplesmente não sei o que acontece com elas. Ou seja, o risco técnico é óbvio e por mais que eu confie na engenhosidade humana eu não consigo não ficar assustado.

E claro, daí surge um risco além do técnico: o psicológico. Como eu vou me comportar num avião? Claro, eu sei que eu sou bem tranqüilo e muito dificilmente vou querer entrar em posição fetal e respirar dentro de um saco de papel, (qual é o lance com isso de respirar dentro do saco de papel, por sinal? uma vez me explicaram mas eu já me esqueci…) mas eu vou conseguir dormir a viagem toda como eu faço nos ônibus (e carros. e motos. e bicicletas. e skates) ou vou ficar ansioso e passarei horas inteiras numa neurótica espera pelo pouso? Eu conseguirei ler sem ficar enjoado? Se a bateria do meu mp3 acabar eu entrarei em pânico? Se o piloto fizer alguma piadinha eu vou rir ou vou pensar que ele está ouvindo um disco do Ary Toledo ao invés de prestar atenção no que está fazendo? Eu surtarei no nível André Gonçalves e tentarei beijar o Pelé dentro do avião? Simplesmente não tem como saber e isso, além da iminente possibilidade de morrer de forma lenta e dolorosa dentro de uma bola metálica em chamas, me preocupa um bocado.

Mas de qualquer maneira no dia dois eu vou saber exatamente como isso de viajar de avião vai funcionar. Vou tentar respirar fundo, pensar em coisas boas, não lembrar de nenhuma cena de “Apertem os cintos que o piloto sumiu” e torcer pra que o Pelé não esteja no mesmo vôo que eu. Só por precaução, sabe como é. Torçam por mim.

Anúncios

13 Comentários

Arquivado em Desocupações, Mundo (Su)Real, Sem Categoria

13 Respostas para “The airplane song

  1. Olha: palavra de quem tem mais horas de vôo que muito piloto – meu Pai trabalhava na Varig e… Não, ele não era piloto, era da área de vendas e… Mas como assim, o que isso tem haver com voar? Quem trabalha em companhia aérea acaba voando, acredite. (…) Sim, eu sei, eu trabalhei em companhia aérea e nunca voei por ela, mas os motivos eram outros e… NÃO, não era a TAM. Era a Rio Sul (não, não-o-shopping). Mas deixa eu falar!

    Bom. Eu voei muito mesmo; meu pai era transferido de lá para cá pelo país, e a gente acabava indo junto; e naquela época os aviões eram menos modernos, e nada me aconteceu =D

    Verdade.

    Pode acreditar.

    Pergunta ao Ricardo, se quiser; ele deve confirmar tudo.

    Juro.

  2. ThiagoFC

    Eu também não fiz a maioria das coisas do seu parênteses, mas de avião eu já voei. Nem tem tanto tempo assim, não fiquei com medo, na hora que decolou tive a sensação de estar em uma montanha russa. Foi legal, e bem rápido (eu viajei de Vitória a São Paulo em duas horas. Praticamente o mesmo tempo que gastei do aeroporto de Congonhas até a casa do Winckler, pra você ver a eficiência do transporte coletivo urbano). Só te recomendo levar chiclete, bastante: pra quem não está acostumado, dá dor de ouvido, que – dizem – é amenizada se você estiver mascando chicletes.

    E Pearl Harbour? É tão ruim quanto dizem em Team America?

  3. eu também nunca viajei de avião. mas, não tenho medo de desastres. desde que o avião não caísse num pedaço de mar cheio de tubarões, estaria tudo bem pra mim.

  4. que tipo de pessoa tem medo de acordar e ver que virou um basset?

    até eu que sou cabra macho do sertão já viajei de avião, eu nem fiquei com medo, na verdade fiquei mesmo foi com raiva de terem me servido umas barras de cereais horriveis na hora do lanche! aquilo tinha gosto de palha , sem contar que na volta me deram um biscoito com recheio de goiaba mais ruim que suco de jiló com matruz.

    acredite, é sempre bom levar umas besteiras de comer no bolso, nunca se sabe se vão servir barras de cereias ou se você vai cair numa ilha deserta.

  5. É… acho que você sabe que eu tenho mó medão de avião também… já fiz alguns posts sobre isso. Mas o que eu penso é que esse medo não pode e não vai me paralisar de jeito nenhum. Eu vou deixar de conhecer o mundo por… medo?? Não mesmo! Aí eu sofro, mas vou.

    Não consigo dormir, mas também não sofro horrores a viagem inteira, ou meu coraçãozinho não aguentaria. Digamos que eu fique acordada em sinal de respeito à imensa máquina voadora. Já até levei remédio pra dormir, mas acabei não tomando, preferi enfrentar o medo. Nas minhas últimas férias eu sofri tanto com isso, pensando nas 11 horas de viagem, que mal conseguia ficar feliz pela parte das férias nas zoropa. Doença! Mas também quanto mais você anda, menos medo tem… Logo depois das férias eu fiz outra viagem longa de avião e já não sofri tanto… E já que tens tantas passagens… vais tirar de letra!

    Pra mim a pior parte é a decolagem, até o piloto estabilizar a altura. O vôo costuma ser super tranquilo, dá até pra esquecer por uns momentos que estás no ar (as pausas pra alimentação fazem você abstrair que está voando e o tempo passar mais depressa!), e o pouso é uma alegria só, porque significa que a viagem está terminando.

    Desculpe não poder ajudar muito, mas é que sou outra medrosa! Pelo menos você sabe que não é o único! Aliás, não meeeesmo, muita gente tem medo também! Mas vai que você se surpreende e gosta muitão… Anyways… torcendo por ocê! Se descobrires a fórmula pra perder o medo, conta pra mim, ok?? ;) Malzaê o comentário gigante!

  6. Stella

    Se servir de consolo, pelo que já li quando dá errado as pessoas morrem bem rapidinho! Nem é de “uma forma lenta e dolorosa” (ok, eu não sei sobre a parte de ser dolorosa)

  7. Aonde você vai mesmo? Porque dependendo de onde, talvez seja melhor nem aterrissar mesmo… Muahahahaha! Brinks. Dica: pense nos sabonetinhos de graça do banheiro e nas balas toffee, só essas coisas já valem tudo, até assistir ao Ary Toledo.

  8. É verdade, não precisa se preocupar, não deve ser nada lento.

    Queria muito passar por uma turbulência e queria muito protagonizar a primeira cena de Garden State.

  9. Não faz muito tempo desde a primeira vez que andei de avião. Foi numa época que os aviões pra caramba (acho que caiu um da tam e o da airfrance tb) mas eu já tinha comprado a passagem, reservado o hotel, etc e tal….
    Uma amiga que tb nunca tinha voado foi comigo. Resultado: ela ficou tão apavorada que eu fiquei calma.
    Achei a coisa mais comum do mundo, a decolagem, as balançadinhas, as aeromoças mega maquiadas e a comida ruim. Tudo confortavelmente clichê…

    então relaxa, vai parecer que vc já fez isso mil vezes.

    ps: no meu vôo teve big bang theory dublado (isso sim me apavorou!)

  10. Hahahahahaha, passei um tempo sem comentar aqui, mas gostei de todos os textos. Eu também nunca fiz nenhuma dessas coisas! Boa sorte, boa viagem =)

  11. Camila

    Olha só dizem que temos que ver o lado bom das coisas…
    Então, o seu primeiro conto foi publicado portanto se algo acontecer….
    Já pensou no reconhecimento imediato?
    Você vai ficar famoso(claro que não vai ser tão legal porque não vai estar aqui pra presenciar) vão te elogiar e esquecer os seus defeitos (ou não)…
    Os seus outros contos vão ser publicados…
    Seria legal se fizesse algumas pinturas também antes de ir nada demais talvez alguns pontinhos ou círculos que pareçam triângulos…
    Sua família pode ficar rica(ou não)…
    Estou torçendo por você…Boa Viagem…

  12. Hehe,a ultima vez que eu ouvi alguém falar posição fetal sem necessariamente está se dirigindo a coisas como feto ou gravidez foi em padrinhos mágicos kkk,sim eu sou o tipo de pessoa que ri do nada ao ouvir uma palavra engraçada.
    eu já acho bem reconfortante lembrar da primeira vez que eu viajei de avião ,mas vai ver porque eu tinha oito anos,sim eu era uma criança meio lerdinha então não fazia muita noção de perigo,nem de espaço :X é eu vivia me batendo sozinha e caindo até hoje faço isso mas não vou mais comentar sobre rs.

  13. ana tereza

    joao vc chegou bem?!

    o trem do saco é que o gas carbonico diminui aquela sensação de ansia de vomito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s