Novos adendos ao pequeno dicionário pessoal de sensações esquisitas

Cena 1

Você está conversando com a garota e está tudo bem. O papo fluindo, você tentando manter aquela coisa tarantinesca do “hysterically funny, but not funny-looking” e obtendo aquele nível moderado de sucesso até que em um dado momento você diz uma besteira. Você sabe que é uma besteira porque assim que você falou começou a bater um arrependimento, ela deu uma piscada assustada e em algum lugar na sua cabeça um neurônio deu um soco em outro e começou a gritar algo como “porque eu só trabalho com imbecis? por que?! poooor queeeeee?!”.

Então você, na intenção de corrigir a má impressão, tenta dizer qualquer outra coisa. E consegue piorar a situação, levando aquele mesmo neurônio a dar cabeçadas na membrana aracnóide e praguejar contra “o pior emprego do mundo, maldição!”. Daí você resolve partir pra metalinguagem e brincar que não é sempre tão idiota assim, o que claramente dá a impressão de que sim, você é sempre idiota desse jeito. E daí em diante você vai basicamente passar a noite toda tentando se corrigir e piorando a sua situação, numa imensa e interminável escalada de constrangimento, até que seus neurônios apenas desistam de você e decidam trabalhar por contra própria numa fórmula para definir números primos.

Cena 2

Você está no meio de uma conversa e alguém diz alguma coisa absurda, do tipo “e foi logo depois de ter matado aquele pingüim com a batedeira”. Mas depois a pessoa diz “ah, tô brincando”. Mas aí ela vira e diz “não, não tô”. E depois ela fala “ah, tô sim”. E então vem um “não, não estou não”. Mas aí ela diz “ah, eu tava brincando sobre estar brincando”. E então um “não, eu estava brincando quando disse que estava brincando sobre estar brincando”. E segue com um “na verdade eu estava brincando quando disse que estava brincando sobre estar brincando naquela brincadeira sobre estar brincando que eu fiz”. E aí você nota que está preso numa dimensão paralela onde as pessoas falam como personagens do Ben Stiller.

Cena 3

Você e seus amigos possuem uma piada interna freqüente, que consiste em, quando não tem absolutamente nenhum interesse em ir a algum evento ou fazer alguma coisa, denotar esse desinteresse mencionando que não podem ir porque “sua tia vai ser atropelada no sábado”. O conceito da piada é o de que a atividade citada é tão chata e tão pouco estimulante que você a)preferia ver a sua tia ser atropelada a estar presente nela; b)apresenta um nível de descaso quanto a ela que não te obriga a nem mesmo inventar alguma boa desculpa para a sua ausência.

Até que num dia, num bate papo entre amigos, alguém pergunta se todos vão pra um programa que claramente é uma furada e alguém faz a piada de que já tem um atropelamento de tia marcado. E aí a namorada de um amigo diz “minha tia foi atropelada. Num sábado. E morreu”.

E você, no silêncio que se segue, sente que a sua vida de agora em diante tem uma piada interna a menos.

Anúncios

10 Comentários

Arquivado em Desocupações, Mundo (Su)Real, situações limite, teorias, Vida Pessoal

10 Respostas para “Novos adendos ao pequeno dicionário pessoal de sensações esquisitas

  1. aí, a namorada do seu amigo diz que está brincando e você nem tem mais energia pra achar graça disso. HAHAHAHA. muito bom! o/

  2. Acho que meus neurônios tem muitos problemas desse tipo.

  3. Eu ia ler esse post, mas minha tia engasgou bem na hora… Tô brincando! Tô não. A-há! Tô sim, tô sim.

  4. Eu faço muita piada sem graça. Na verdade, eu tenho muita dificuldade pra encontrar o nível ideal de complexidade que as pessoas possam entender minhas piadas e por isso fico no vácuo eterno das piadas mal-entendidas.

    Temo o dia em que eu tiver uma arma por perto quando pagar outro mico desses.

  5. Henrique

    Cara, e quanto tu sabe que não tá indo tão bem, a mina olha para trás ou para o lado, tu faz um gesto pra aliviar a tensão, não sei bem explicar, mas todo mundo já fez, é tipo um movimento com os braços e uma cara de “WTF!?” pra si mesmo, acontece muito com o Ted em How I Met Your Mother, mas, enfim, ela se vira de volta no meio do teu ato. Porra, aí é complicado. Aí a casa cai feio. Não sei se deu pra entender, o lance é que é uma situação complicadíssima. Talvez pior que a bobagem que você fala.

  6. Pengo

    Graaaaaande Djonny PC (sigla de uma piada interna, desistam de tentar entender)! Muito boa a cena da tia e muito utilizada no nosso dia a dia! MPE pra ver um post sobre pulmões perfurados com uma espreguiçada! Bjunda muleke!

  7. Bruno Machado

    Excelente!!!

  8. A arte de contar piadas sem graça deveria ser tão valorizada quanto a oposta. o/
    Excelente post!! =D

  9. aconteceu essa 3a cena com uma piada interna da minha turma que dizia ” um castor mordeu minha bunda”.

    E ficamos com uma piada a menos na vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s