Minhas referências icônicas de romance (2 de 5)

O momento: A cena da despedida em Casablanca

O contexto: Num dos últimos momentos de um dos filmes mais importantes do século XX, Rick e Ilse se despedem logo antes que ela pegue o vôo junto com o mala do Victor Laszlo em direção a Lisboa para ajudar nos planos contra o Eixo. Rick neste momento sai de sua impassividade cool num gesto que não só sacrifica seus interesses pessoais como também colabora diretamente com a vitória dos Aliados na 2ª Guerra e de quebra nasce uma das cenas mais relembradas e recriadas da cultura pop e o clássico “sempre teremos Paris” que todo mundo passou a usar deliberadamente e sem o menor respeito, como em “sempre teremos o Rei do Mate” ou “sempre teremos aquela noite na casa da sua tia em que sua avó pegou no sono na cozinha e rolaram aqueles amassos debaixo da escada”.

Porque é icônico: Porque é o símbolo máximo da idéia de que em todo relacionamento precisa existir um certo nível de renúncia, adaptação, consenso. Gostar de alguém é algo que vai te trazer complicações em um nível ou outro (mudança de prioridades, concessões, ficar puto e ir ser dono de bar na África) e o gesto de Rick exemplifica como poucos a idéia da renúncia e do pensar no bem do outro mesmo que isso não signifique necessariamente ficar junto ou continuar o romance. Ou então ele realmente estava de saco cheio dela e apenas queria que aquela mulher fosse parar numa zona de guerra o quanto antes…Mas vamos pensar pelo lado bonito da coisa, ok?

Anúncios

7 Comentários

Arquivado em citações, Declaração de princípios, referências, romantismo desperdiçado

7 Respostas para “Minhas referências icônicas de romance (2 de 5)

  1. Rosana

    É… tive que renunciar pelo bem do mancebo mas mesmo assim não gosto de Casablanca e sempre terei um Rei do Mate perto da minha casa =]

  2. O Bogey mesmo com toda a cara de cachorro cansado era muito foda. Eu e um amigo chegamos a conclusão que se você quiser ensinar a um moleque como ser um Homem, precisa ser mostrando esse cara. E o que dizer sobre Casablanca, além de ser um dos maiores romances e um dos filmes em que 90% das frases se tornaram marcos do cinema?

    P.S: Victor Lazslo era um bundão.

    • ThiagoFC

      Ah, o Lazslo até que era legal, vai…
      Ou vai dizer que você também não cantou a Marselhesa quando ele puxou o coro? (Eu cantei!)

      • joão baldi jr.

        Não, mas quando eu estava de férias na França eu cantei uma marselhesa (e só deus sabe quanto tempo eu esperei por uma chance pra fazer essa piada. obrigado, thiago)

  3. Tenho nada pra acrescentar, só queria dizer que gostei e que você traduziu bem o sentimento.

  4. rene

    “sempre teremos o Rei do Mate” eu pensei nisso quando cheguei em salvador,porém as suas lojas ficam em shooping ou supermercados,não existe três lojas na mesma rua como no centro do rio(uruguaiana).Agora vai abrir um na miguel calmon(do jeito que as coisas são bem lentas,isso o metrô,o planejamento de criar um planta para planejar a ponte que liga salvador a ilha e um novo aeromodelo e etc) matando a minha saudade de beber um matte suiço e deixar de beber aquele café mocha do jhonjhon’s que custa uma “pequena” bagatela de 7,00 reais,isso quando eu fico penchichando(legal,lá passa uns filmes maneiros).

    Ps:.Você já ouviu falar de um livro chamado “Suspeitos” de David Thomson ,ele cria uma continuação para os filmes classicos que não tiveram e deveriam ter uma continuação como Magico de Oz,Casablanca e etc…O livro só encontra em sebos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s