27

Quando pequeno a gente sempre imagina como vai ser quando crescer. Pensa em como vai ficar, se vamos ser altos, se vamos continuar gordinhos, se vamos melhorar com as garotas, se vamos poder ter um cachorro, se vamos dormir depois das 22:00, se vamos parar de ter pesadelos depois de ver filmes de terror. Se vamos crescer pra ser astronautas, se vamos conseguir morar na beira da praia, se vamos continuar jogando futebol todo dia, se vamos ter os mesmos amigos, se a gagueira vai passar,se vamos poder beber mais de um yakult por vez. E projetamos coisas, e estipulamos algumas metas infantis, alguns objetivos de criança, e ficamos imaginando que é assim que a vida adulta deveria ser, dentro da nossa visão de garotinhos do que a vida adulta é e de como um adulto deve se comportar.

Mas esses objetivos, essas metas, esses projetos, mudam, é claro. E isso fica óbvio não apenas pelo fato de que vivemos num mundo que tem muito mais advogados, jornalistas e técnicas de contabilidade do que astronautas, bailarinas e veterinários, mas também porque a mudança é parte inerente do processo de crescer e nem sempre, quando adultos, conseguimos parecer com aquelas pessoas que nós, quando garotinhos, achávamos que íamos ser. Alguns porque mudaram de opinião quanto a corrida espacial, outros porque entenderam que não servem pra entrar em prédios em chamas, algumas porque notaram que aqueles pinschers realmente não merecem viver e tentar trabalhar salvando esse tipo de animal seria uma tremenda hipocrisia.

E essa semana, mais precisamente na tarde de ontem, quando eu estava tecnicamente completando 27 anos e tudo que tinha recebido de presente no dia era a gestão de um projeto de revisão de portal corporativo e uma celeuma intergerências que eu deveria resolver antes que pessoas começassem a se matar com cartuchos de toner, eu fiquei pensando em que tipo de satisfação eu, hoje, poderia dar se tivesse que ser confrontado com as expectativas do joão de sete anos, aquele que queria ser astrônomo, tinha medo de cavalos e sinceramente achava que o mundo de beakman era o mais longe que qualquer programa de tv poderia chegar em termos de entretenimento.

Em primeiro lugar não deu pra ser astrônomo. Números demais, física demais, nós temos uma vocação natural pra quebrar objetos com partes de vidro, nos empolgamos acima da média com painéis e botões coloridos, apenas não rolou. Claro, somos capazes de reconhecer algumas estrelas, sabemos que aquilo que o planeta gigante fez no filme do Lars Von Trier – um dia você vai saber quem é – apenas não faz sentido, mas não, astronomia realmente não rolou. Mas jornalismo é legal, sério. Não é genial, não é sensacional o tempo todo, mas é bacana. E você gosta de escrever, então é divertido. E sim, você gosta de escrever. É, nada de matemática, nada de ciências, você acabou indo pras humanas. É, eu sei, eu nunca entendi também.

Você ainda tem medo de bichos. Quase todos, pra ser sincero. Cachorros, várias aves, répteis também. Mas você foi ao zôo esse ano (duas vezes) e foi bem bacana. Tinha girafas (girafas são sensacionais, sério). E foi ao planetário também, ainda que eu devesse ter mencionado isso na parte de astronomia, acho. Sim, você continua se expressando de forma confusa, tem umas coisas que não vão mudar e tal. Tipo a gagueira. Mas ela diminui ali pelo meio da adolescência e hoje você consegue falar direitinho. A não ser quando fica nervoso. Ah, e no trabalho você fica nervoso com muita freqüência e tal.

Os pais estão bem e as avós também, mas sem querer dar spoilers, eu acho que você deveria aproveitar mais o tempo com os avôs, você vai entender depois. Conforme o tempo passar você vai começar a achar que a mãe diminuiu mas não, você é que cresceu e sim, ela vai ficar irritada se for chamada de duenda, mas a diversão vai compensar o risco. O Julio cresceu também e hoje aquele bebezinho cabeçudo tem um carro e praticamente está noivo. Mas no fundo ele continua a mesma coisa, e com isso eu quero dizer que ele continua cabeçudo.

Você ainda joga bola, mas nunca aprendeu a cabecear de olhos abertos, o que é uma deficiência, mas você continua compensando com um bruta excesso de vontade. Sabe esses quadrinhos dos quais você tá começando a gostar? Você nunca vai largar e vai escrever sobre eles no seu trabalho de final de curso, além deles guiarem metade da sua escolha de camisas pelo resto da vida competindo apenas com as que tem referências diretas ou indiretas ao Ben  Stiller. Sim, com o tempo você também vai saber quem é Ben Stiller.

Seu quarto é cheio de livros, você tem sua própria cama de casal, você tem um videogame de última geração e pode tomar quantos yakults quiser de uma vez só (ainda que você vá descobrir que depois do oitavo seguido eles perdem um pouco da magia). E você tem amigos sensacionais, ainda que eles te influenciem negativamente em alguns momentos – roubar ração animal é sempre errado, correr nu pela rua é sempre errado, beber até o ponto de voltar pra casa rodando a camisa numa rua movimentada é sempre errado – além de uma namorada espetacular, mas espetacular mesmo, que foi quem te levou no planetário, no zôo e te deu uma lava lamp de aniversário. Eu sei, a gente sempre quis uma lava lamp (e lá pelos 14 você vai começar a querer uma namorada espetacular também, fica tranqüilo. ah, e ela gosta de bichinhos de geléia, olha só que legal).

Então, bem, espero que você não esteja decepcionado. Claro, as coisas não saíram exatamente como planejado, tivemos algumas mudanças chatas no caminho e sim, você passou 4 anos achando que seu peixe beta era macho quando na verdade ele era fêmea e quebrou o pé chutando uma cerca, mas no geral saiba que você tá se saindo muito bem e as coisas estão boas. É aquela coisa, a gente pode não ter chegado exatamente onde queria chegar, mas acho que terminamos onde a gente precisava estar. E não, essa frase não é sua, é do Douglas Adams. E sim, você também vai saber quem é Douglas Adams, fica tranqüilo.

Ah, e Beakman ainda é o mais longe que qualquer programa de tv poderia chegar em termos de entretenimento. Você tinha toda a razão o tempo todo.

Anúncios

33 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, Crônicas, crise de meia meia idade, Vida Pessoal

33 Respostas para “27

  1. Renata A.

    Faço 27 no final do mês. Pânico de dar satisfações para meu eu de 7 anos.

  2. Faz muito tempo que leio este blog, mas este é o post mais, mais, mais incrível que já li por aqui (e já li ótimos). Parabéns.

  3. Rodrigo

    Ótimo texto! Queria muito escrever tão bem para dar satisfações para o meu eu passado de maneira tão legal! Parabéns!

  4. Uma das coisas mais inteligentes que eu ja li. Sensacional.

    Eu queria ser palhaço. Quem sabe um dia…

  5. Nayara Gonzalez

    Ô, João, feliz aniversário! (atrasado e tal, mas a intenção continua boa) Muito boa sua prestação de contas, me levou a pensar que aos 27 eu ainda vou precisar prestar contas pra Nayara de 21 anos. Espero que meu saldo também seja positivo.

    (Que cafona eu, acho que não me dou bem fora das redes sociais mais escrachadas. Devia ter deixado esse parabéns no Formspring!)

  6. Um dos melhores textos que eu já li, parabéns!

  7. SENSACIONAL!!!!!!! Tipo assim, genial mesmo.

  8. Miguel

    Eu tenho 17, ingressei na universidade, mas sempre tenho pensamentos de como eu devo guiar minha vida, se eu to no caminho certo ou coisas do tipo. E depois daquelas inúmeras passagens por blogs, leituras de livros falando coisas do tipo “vida emocional dos civilizados” eu creio que se quando eu alcançar 27 tiver um vídeo game de última geração, um quarto cheio de livros, meus amigos sensacionais,talvez essa sua imensa aptidão pra escrever (claro, se não for pedir demais) um trabalho fixo e uma possibilidade de tomar quantos yakults eu quiser,tenho certeza de que não sentirei medo de encarar meu “eu” de 7 anos.
    Claro, considerando que meus amigos ainda gostem de Marvel vs Capcom 3 até lá.

    • joão baldi jr.

      Eu gosto de pensar que no momento em que meus amigos desanimarem com o video-game eu vou ter a coragem de procurar novos amigos (um dos meus presentes de aniversário foi um arkham city, então acho que ainda tá tudo bem)

  9. Fiquei meio emotiva lendo o texto, acho que imaginando o que meu de 7 anos acharia de mim…

    Mas enfim, né. Parabéns e coisa e tal.

  10. Cara, simplesmente sensacional! É um orgulho ter um amigo que se expressa com essa facilidade.
    Eu nem sei o que meu “eu” de 7 sete anos diria de mim agora. Não restou nenhum amigo da infância, eu não fui piloto de avião e não me casei aos 21…
    Mas, no geral, acho que tudo anda indo bem e tem esse lance do video-game de última geração, a cama de casal, o carro, a namorada sensacional, os amigos incríveis e as compras pela internet que compensam tudo.
    Enfim, parabéns por ser o que você é, com a idade que você tiver. Você é foda!

    • joão baldi jr.

      Cara, valeu mesmo! E pô, temos que combinar pelo facebook pra gente beber na próxima ida a Juiz de Fora e discutir novamente qual nome de mulher o Rhuan vai usar quando voltar de Portugal

  11. Parabéns João! Gostei muito do texto, muito bom pensar sobre isso.

  12. Naiara Costa

    adorável!

  13. Muito foda o texto. Em especial por que vi umas coisas a ver com minha própria vida.

    Pra constar (e não que seja de grande importância): também queria ser astrônomo quando criança, mas fugi para as humanas (História, no caso) e, da mesma forma, a gagueira não passou e ataca quando fico nervoso (mas até que consigo falar bem).

    • joão baldi jr.

      Eu quase fiz história, mas a idéia de escrever falou absolutamente mais alto e eu acabei indo pra jornalismo (idéia errada, porque release não é exatamente o que eu tinha em mente). E deus sabe que em certos dias eu poderia recitar Camões no Largo da Carioca sem repetir uma sílaba, mas esse escritório transforma a minha dicção num remix, amigo.

  14. Antonio

    Essa foi tipo aquela balada romântica no meio do show pras meninas tirarem a calcinha e gritar FAÇA UM FILHO EM MIM, não foi não?

    • joão baldi jr.

      Na verdade, se eu conheço bem o funcionamento do meu blog, esse é o tipo de texto que vai fazer com que mais um cara apareça e diga que, se eu algum dia trocar de sexo, é pra telefonar pra ele. Vibe totalmente diferente, sabe?

  15. joão baldi jr.

    Obrigado aos amigos pelos parabéns (tanto pelo aniversário quanto pelo texto) e, sinceridade, gostaria que todos vocês estivessem comigo nas comemorações da última segunda, quando a banda tocou “parabéns pra você” pra mim em ritmo de blues e um suiço ficou pagando bebidas pra mim e pros meus amigos possivelmente com a intenção de chegar em alguma das garotas da mesa. Mas não, não gostaria que vocês estivessem lá na hora em que começou a tocar elton john e eu fiquei cantando junto. Aquilo foi desnecessário da minha parte. Peço desculpas.

  16. joão! Concordo com o beakman e com as girafas. Não tenho comentado muito por aqui, mas ainda sou seu fã e leio sempre!

    Parabéns pelos 27 anos, embora considere que todos os aniversários sejam catastrofes a partir do décimo.

  17. ThiagoFC

    “You’ll still be here tomorrow, but your dreams may not” – Cat Stevens

  18. João emocionando a todos. e eu que queria ser pediatra, mas nunca que o estômago iria colaborar com a medicina. então, jornalismo foi uma boa saída. assim, parabéns pelos 27 anos e seria, mesmo, legal ter participado das comemorações (mesmo que eu tenha demorado 4 dias pra dar as felicitações). abraço!

  19. Lorran W.

    Sem palavras “Jão”. Senti até um comichão, apesar de eu nem saber direito o que se sente com isso, aqui no trabalho enquanto Smash Mouth e Weezer revezavam e eu lia o seu texto. Parabéns cara.

  20. Quando eu crescer (só em idade porque em altura eu já perdi a esperança) quero escrever um texto desses. Muito bom. Abalando corações e despertando emoções!

    Eu lembro de as 7 querer ser veterinária, mas daí até chegar à arquitetura de hoje foram muitos outros sonhos. Acho que ainda sonho muito, principalmente acordada. Espero, por exemplo, ter um negócio próprio aos 27 anos e um livro que as pessoas comprem por gostarem (não porque o outro gostou ou porque está na promoção e a namorada faz aniversário).

    P.S: Parabéns pelos 27…que venham muitas mais vezes 27 :]

  21. tobias

    Texto incrível, de verdade.

  22. tobias

    E parabéns pelos 27 também, né.

  23. Neo Charles

    Eu estava por aí pesquisando sobre aniversários para minha postagem e encontrei seu blog. Gostei muito, principalmente pelo fato de você ter escolhido jornalismo.

    Parabéns pelo aniversário! E sim, sei que estou atrasado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s