A praticamente interminável playlist sobre mal-entendidos e brigas de casal: itens #12, #13, #14, #15 e #16

Moonlighting-tv-04

#12 -Joe Cocker – Don’t let me be misunderstood: Possivelmente o mais próximo que uma canção romântica consegue chegar de uma declaração formal de desculpas após uma acusação de violência doméstica, essa balada de Joe Cocker se tornou um clássico por aliar em poucas estrofes não apenas claros sinais de bipolaridade do eu-lírico como também aquela postura “só deus pode me julgar” tão presente nos grandes romances, nos grandes adesivos de carro e nos grandes perfis de orkut. Ótima trilha para episódios de Linha Direta, dramatizações durante a madrugada na Record e declarações do tipo “não é nada disso que você está pensando” quando é exatamente aquilo que ela estava pensando e nem é a primeira vez.

#13 – Bon Jovi – Misunderstood – Possivelmente a música pop que melhor aborda aqueles momentos em que uma opinião sobre rosbife resulta em crise no relacionamento, um comentário sobre filmes com cachorros te faz dormir na sala e uma discussão sobre panos de prato faz com que ela vá embora pra casa dos pais levando o único notebook que vocês tinham, “Misunderstood” é uma ode a todos aqueles momentos em que os menores deslizes resultam nos piores problemas e as melhores intenções resultam nos mais nefastos resultados, te deixando em casa sozinho, refazendo mentalmente o que deu errado e se perguntando o que passou pela sua cabeça quando você achou que acordar sua namorada fazendo um cotonete molhado poderia ser uma boa idéia. Já o clipe é apenas absurdo mesmo, mas estávamos em 2002 e vocês sabem como as coisas eram.

#14- Paul Westerberg – Dylexic Heart: Um clássico sobre incompreensão, miopia emocional, dislexia amorosa e aquela dificuldade de saber sem óculos se a garota está olhando pra você, pro seu amigo ou pra saída de incêndio, essa canção do ex-vocalista do Replacements resume de forma bem humorada (e possivelmente preconceituosa com nossos amigos que trocam letras de lugar) todos os cenários de confusão que já te levaram a achar que a garota não queria quando na verdade queria, queria quando na verdade não queria e estava passando o pé na sua perna por debaixo da mesa quando na verdade era o irmão dela que estava fazendo isso. E sério, não foi bacana depois. Meio climão, sabe?

#15 – John Wesley Harding – I’m wrong about everything: Totalmente calcada no conceito que mais claramente explica não apenas os confrontos aliens x predadores como também as brigas de casal – “não importa quem vencer, nós perdemos” – a faixa 3 da trilha sonora do filme Alta Fidelidade aborda essa que é quase sempre a saída mais fácil diante de interrogatórios policiais e discussões com namoradas: assumir a culpa de tudo. Você está se sentindo sozinha? A culpa é minha. O carro quebrou? A culpa é minha. A comida veio ruim? A culpa é minha. Kennedy morreu? A culpa possivelmente não é minha, porque eu não tinha nascido e nunca fui a Dallas, mas ok, ok, você tem razão e no mínimo cúmplice eu fui, agora apenas vamos deitar, por favor.

#16 – Semisonic – Never You Mind: Canção clássica, no sentido mais amplo de “clássico” que alguma canção do Semisonic que não seja Closing Time pode ter, Never You Mind aborda não apenas a problemática clássica da briga de casal – você está discutindo com alguém que conhece todos os seus segredos e pontos fracos, incluindo sua insegurança em ficar sem camisa e seu medo de cavalos – até o complexo day after quando nenhum dos dois lembra exatamente como a discussão começou ou terminou, mas ambos tem certeza de que alguém merece um pedido de desculpas – ainda que esse alguém muito provavelmente seja o porteiro do prédio, que tentou abrir a porta quando vocês estavam entrando e foi chamado de veado no meio da discussão. Destaque também para a última estrofe, que provavelmente faz a menção mais despropositada de Jornada nas Estrelas da história da música mundial e possivelmente explica porque eu sou a única pessoa aqui que tem a discografia completa dessa banda no ipod.

Anúncios

7 Comentários

Arquivado em Músicas e derivados, Top

7 Respostas para “A praticamente interminável playlist sobre mal-entendidos e brigas de casal: itens #12, #13, #14, #15 e #16

  1. No ipod não, mas a discografia do Semisonic tem merecido lugar no meu PC do escritório. E também as do Toad The Wet Sprocket e do Gin Blossons (que lançou um disco em 2010!).

  2. achava que era só eu que tinha a discografia completa do Semisonic.

    me orgulhava disso um pouco.

    ):

  3. Eu acredito que qualquer citação a série clássica é sempre válida, cara. Sério, o mundo seria mais bonito se todos conhecessem o Spock e o Kirk da TOS.

  4. Neo Charles

    AHAHAHAHAHAHAHA! Ótimas definições!

    Tenho umas definições para casamentos também, aqui:
    http://neoquiproquo.wordpress.com/2011/12/28/dos-casamentos-duradouros/

  5. Thati

    Se uma árvore cai no meio da floresta e ninguém ouve, ela faz barulho?
    Se um homem diz o que pensa numa floresta e nenhuma mulher ouve, ele ainda estava errado?

  6. Daí só vale a pena, na minha humilde opinião fecal, os Semisonics. =)

  7. Boa Lista! E boa análise freudiana das canções. Ou não né! Vai saber!

    A Sábia Ignorância:
    http://asabiaignorancia.blogspot.com/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s