Sobre facebook, eleições e a nefasta ascensão do amigo do seu amigo

amigo do amigo

Todos nós sabemos, desde pequenos, que a discussão política pode trazer à tona o que existe de pior no ser humano. Um assunto claramente racional e merecedor de profunda reflexão analítica, mas que é sempre abordado da maneira mais passional e pessoal possível – “enfia o crescimento lento do pib no seu cu, aqui é dilma, porra!!!!” – a discussão política padrão costuma servir menos para trocar opiniões, enriquecer debates, ajudar a formar posições, do que para gerar brigas na mesa de jantar, garantir constrangimentos no trabalho, separar casais antes apaixonados (“sem sexo até você entender que apenas o psdb pode e vai resolver os problemas do brasil”).

E outra coisa que temos certeza faz um certo tempo é do poder da internet para potencializar as coisas. Seja pornografia, seja o acesso a livros clássicos, seja o conceito de lip sync, não há nada que a internet não consiga tocar e elevar até a sua enésima potência, explorando as qualidades, agravando os defeitos, tornando muito melhor ou muito pior do que poderia ser.

Portanto não foi surpresa pra ninguém o resultado da combinação entre uma eleição disputada como a que passou e um período de grande participação das redes sociais como temos hoje. O resultado foi muito chato. Assim, bem chato mesmo.

Vimos amigos anteriormente apolíticos nos cobrando posicionamentos partidários mais firmes, vimos colegas que nunca entenderam fração discutindo crescimento econômico, descobrimos que aquela tia simpática que fazia arroz doce nas reuniões de família se refere a gays como “ABOMINAÇÃO”, aprendemos toda uma variedade de maneiras pretensamente engraçadas de falar os nomes dilma e aécio (“bandilma”, “roubércio”, “dilmallandra”, “cheirécio”) que nos fizeram nos sentir numa discussão de pátio da terceira série.

Mas nenhum personagem sintetiza melhor o caos cognitivo e as trevas lógicas em que vivemos hoje do que ele: o amigo do amigo.

Sim, o amigo do amigo. Aquele que, entra nas suas discussões por tabela, que visualiza seus posts pro proxy, que tem acesso às suas opiniões através do rebote conceitual da internet. Aquele que não te conhece o bastante pra saber quando você tá sendo irônico, que não anda com a sua galera pra sacar as piadas internas, que não tá no futebol de quinta-feira pra saber que “CALUNIADOR E MENTIROSO, MENTIROSO E CALUNIADOR” não é uma ofensa ao finado Orestes Quércia mas sim o apelido do Rubinho, goleiro reserva, grande presença o Rubinho.

Mas isso não impede, é claro, que ele se manifeste, e sempre de uma maneira contundente. Porque não tendo que te encarar no trabalho, não tendo que te marcar na pelada, não tendo que pegar da sua mão a colher grande de maionese no almoço de domingo, o amigo do amigo se sente livre pra expressar níveis de contundência que apenas taxistas, colegas de trabalho de meia idade e ditadores do eixo do mal são capazes de transmitir. Ele questiona sua isenção como seus colegas não fariam, ele diz que você é pago por partido como seu sogro não ousaria, ele te compara a Hitler em momentos que mesmo sua tia mais irritada não ultrapassaria um “MUITO DECEPECIONADA, NÃO SABIA QUE TINHA UM SORBINHO COMUNISTA”, tudo isso apenas por saber que está protegido pelo distanciamento logístico garantido a alguém que “foi colega de curso de informática da senhora do escritório que você adicionou apenas por obrigação”.

Sintetizando tudo que existe de mais nefasto nas redes sociais hoje, o amigo do seu amigo representa a soma final entre a falsa familiaridade da internet, a incompreensão do conceito básico de contexto, a liberdade de expressão sem reflexão anexa e a ilusão de que alguns trocadilhos nunca foram ouvidos antes quando na verdade o seu avô tentou usar com a sua avó naquele verão de 65 e ela disse “Nilton, se fosse pra ouvir isso eu voltava pra roça”.

E ele, é claro, não se envolve apenas na política. O amigo do seu amigo tem opiniões sobre esportes (“adriano cheirador hahahahaha”), cultura (“super-heroizinho filme de veado hahahahaha”) e até mesmo saúde pública (“muito longo, não vou ler essa merda”). E claro, se em algum instante você tentar responder ao amigo do seu amigo com o nível de contundência que ele usou com você, o mesmo cara que apareceu do nada no seu post, que surgiu do nada na sua foto, que brotou como uma aparição abaixo do seu vídeo, vai te responder com um “que isso, fera, tu nem me conhece, qualé?”.

E claro que enquanto discutimos isso, enquanto pensamos em como as pessoas que nos cercam várias vezes não tem critérios na hora de forjar amizades, na hora de se relacionar a semi-conhecidos, aquele cara que você tem no facebook porque jogou bola contigo uma vez durante aquela pelada no Leme acaba de fazer um comentário absolutamente ofensivo numa foto que a namorada do seu irmão tinha postado. Amigo do amigo. Apenas o pior.

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, homens trabalhando, Internet, Sem Categoria, Vida Pessoal

3 Respostas para “Sobre facebook, eleições e a nefasta ascensão do amigo do seu amigo

  1. NUNCA LI TANTA PETRALHICE COMUNA JUNTA NUM POST SÓ!!! VAI PRA CUBA!!!

  2. EU VEJO UM POST DESSE E JÁ FICO COMPLETAMENTE DECEPCIONADO porque ele é engraçado e igualmente verdade e você só posta aqui de vez em nunca, poxa vida.

  3. SEU REAÇA! (só porque eu adoro ser chamado de “reaça” e “petralha” por conta do mesmo texto)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s