Arquivo da tag: comunicação

3 situações simples em que o limite de caracteres no sms do seu celular permite que sua namorada te considere um cara bem mais normal e equilibrado do que você efetivamente é

#1

Mensagem que você recebeu: “Ei, tudo bem aí no trabalho?”

Primeiro rascunho mental da mensagem: “Não. Assim, na verdade tá tudo péssimo. Eu apenas não gosto daqui, sabe? As pessoas, o trabalho, as reuniões, os relatórios, a máquina de café que sempre espirra em mim e olha que eu nem bebo café e é como se ela praticamente me perseguisse pelo corredor pra me sujar. Eu apenas odeio isso. Odeio. Na verdade eu não quero mais ficar. Sério, eu decidi, eu vou embora. Eu vou largar essa merda. Eu não preciso disso, certo? Eu posso fazer outras coisas. Foda-se essa porra, eles que se danem. Eu tenho 27 anos, eu tenho talentos, eu posso arrumar outro emprego em outro lugar. Você foge comigo? Eu tava pensando em alguma coisa com praia, um litoral aí mais pro nordeste. Coloca biquínis na mala e leva aqueles vestidinhos que você usou nas férias. Eu juntei algum dinheiro e acho que a gente consegue se ajeitar. Eu apenas não suporto mais um dia aqui nesta porra, sabe? Você acha que consegue pilotar um catamarã? É assim que se chama aquele barco? Eu posso fritar peixes. Eu te amo e quero fugir com você mesmo que seja pra nós dois virarmos representantes jequiti. Sempre gostei daquele programa com o Sílvio Santos e a roda, sabe? – Ps: “Se chama ‘Roda a Roda’ o programa, achei o nome engraçado”.

Mensagem que você envia: “Ah, tá meio chato, e por aí, como ta?”

Continuar lendo

14 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, homens trabalhando, romantismo desperdiçado, situações limite, Vacilo, Vida Pessoal

Plano de Comunicação 2010 – Tentativa rejeitada #878

Tema: A nossa gerência é… [substitua aqui o “nossa gerência” pelo nome da sua gerência]

Ações previstas:

Nossa gerência é…amor: Será feita uma relação de todas as pessoas solteiras,separadas,desquitadas e/ou solitárias da gerência e isso será incluído em um banco de dados visando a busca de parceiros dentro da própria unidade através de encontros proporcionados pelo setor de comunicação e orientados por uma junta de gerentes. Esse programa visa não só elevar a moral dos funcionários, que não mais se sentirão abandonados ou rejeitados como também aumentar a produtividade da unidade, já que funcionários casados tendem a passar menos tempo em casa e buscar no trabalho um refúgio, o que aumentaria as horas extras e a dedicação ao trabalho, como válvula de escape. Outra vantagem da campanha seria a de tornar mais excitante o clima do ambiente de trabalho, com constantes discussões, bate-bocas, crises de ciúme e demonstrações públicas de hostilidade.

Continuar lendo

4 Comentários

Arquivado em trabalho, vida profissional