Arquivo da tag: dia dos namorados

Mini-conto #13: “Comédia romântica”

Nas comédias românticas as pessoas gostam de dizer que se lembram tudo. Que você usava vermelho, que a lua estava cheia, que nós pedimos macarrão, que o táxi atrasou, que o garçom era engraçado, que o seu perfume tinha algo de jasmim. Eu lembro que você me esperava na frente de uma banca de jornal, que quase não conseguimos achar um bar, que as pessoas falavam alto em torno da gente, que um garotinho se ofereceu pra fazer alguma coisa em troca de dinheiro – falar os dias da semana em inglês,foi isso? – e você foi muito simpática com ele e achei isso muito bacana em você. Eu não lembro exatamente da sua roupa, eu não lembro exatamente da lua, ou se estava frio, ou se estava quente, mas eu lembro que você estava com uma câmera e eu fiquei inseguro pensando se esse era um plano de emergência caso eu fosse muito chato – “ei, desculpa sair assim, mas esqueci que precisava fotografar uns canários agora à noite pra um trabalho e olha só, esse é meu táxi, tchau”. E no tempo que eu precisasse pra perguntar se canários efetivamente saem à noite e que tipo de trabalho era aquele você ia ter ido embora, algo assim. Mas naquela noite você ficou. E ainda consigo lembrar do primeiro sorriso que você me deu.

Continuar lendo

16 Comentários

Arquivado em cinema, contos, Ficção, referências, Vida Pessoal

Top 5 – Formas de passar o dia dos namorados se você estiver solteiro

E sim, chega o dia 12 de junho e nessa sexta-feira é comemorado o dia dos namorados. Claro que esse tipo de feriado mezzo emocional mezzo comercial acabou perdendo o seu apelo depois que a os lojistas passaram a forçar a barra e inventar coisas como o dia da amante, o dia da ex-namorada e o dia daquela garota com quem você ficou naquele show dos Paralamas em que estava tão bêbado que se sentou em cima do muro, chamou o policial militar de Sr. Sulu e disse que era pra ligar os motores de dobra que você iria acabar com todos os romulanos ali mesmo, mas ainda assim é uma data que tem seu significado. Afinal, se você namora é um ótimo dia pra tentar fazer alguma coisa especial, exagerar no romantismo ou pelo menos gastar um dinheiro num presente relativamente interessante. E se você está solteiro é um dia pra…pra…bem, vou dar aqui cinco interessantes sugestões do que fazer no dia dos namorados quando você não tem namorada, namorado, ficante, ou algum ser vivo (ou não) com quem você se relacione de forma romântica, afinal, cada um cuida da sua vida e tal.

Arrume alguém: Dia dos namorados, sexta-feira, provavelmente isso irá despertar em certas pessoas emocionalmente mais frágeis um certo nível de carência afetiva que pode resultar no surgimento de um novo relacionamento logo nesse dia tão especial. Pense só, que coisa fofa pra contar pros seus filhos: “sabia que mamãe e eu nos conhecemos no dia dos namorados, Junior?”. Bem melhor do que se conhecer no funeral do síndico ou no dia do açougueiro, não? Então se anime, vista sua melhor camisa com listras que te emagrecem, penteie o cabelo, use aquele Axe que promete fazer as mulheres te morderem (mas não cumpre, infelizmente…eu testei…) e saia para a noite, meu garoto (ou minha garota)!

Atrapalhe a noite de um casal: Você não acredita nas suas chances de conseguir alguém e prefere jogar na segurança, com algo que você tem certeza que consegue fazer, ou seja, incomodar a noite de outras pessoas. Então faça isso! Escolha seu casal favorito e force a barra para sair com eles, destruindo totalmente qualquer possibilidade de que eles tenham uma noite realmente romântica ou divertida em qualquer aspecto. Leve eles para o Habib’s, peça um sundae imenso e fale sobre sua vida pessoal, diga que está carente e se sente entre os dois no cinema, leve seu porta-cd e ouça Rogério Skylab no carro deles, coisas assim. Afinal, como dizia meu avô, se você não pode vencê-los, incomode-os.

Curta uma fossa: Claro, existem pessoas que preferem curtir seu dia dos namorados solitário de uma forma mais introspectiva, mais reflexiva, ou seja, na fossa mesmo. Faça um jantar solitário ouvindo Eric Clapton, depois sente sozinho para assistir “Cidade dos Anjos” ou “Casablanca” tomando sorvete no pote e finalize relendo as cartas da sua ex-namorada que agora está noiva de um cara mais bonito e bem-sucedido do que você! Claro, antes disso se lembre de esconder todas as facas e outros objetos pontiagudos e de colocar aquelas redinhas nas janelas, mas não perca a chance de curtir essa noite com o seu emocional uns 6000 metros abaixo do nível do mar!

Fique em casa com a sua mãe a ouvindo falar mal do seu pai: Uma forma bem legal de não se sentir mal por estar sozinho é, quando você tem pais divorciados, ficar em casa e pedir pra sua mãe falar sobre casamento, vida a dois e relacionamentos em geral. Provavelmente depois de meia hora de conversa você já vai se sentir feliz por estar sozinho, mas se tiver força de vontade e suportar, digamos, umas 4 horas, você vai terminar essa noite totalmente convencido de que nunca mais deve nem mesmo se aproximar de pessoas do sexo oposto, seu pai é o anti-cristo e o casamento é uma instituição com tantas chances de sucesso quanto um acústico do Carrapicho (“bate forte o tambor, eu quero é tiquetiquetiquetiquetá”).

Namore com você mesmo: Bem, é dia dos namorados, que tal dar uma atenção especial para a pessoa que você mais ama no mundo? Sim, vista uma roupa bonita, se arrume, pague um taxi para você mesmo e se leve para jantar, se dê um presente legal, quem sabe um cinema depois, talvez até beber alguma coisa. Você se conhece bem e sabe como se fazer feliz. Depois vá para casa, coloque uma música, um cd que você goste, talvez assistir um pouco de televisão, aquela sua série favorita. Então uma sobremesa, alguma coisa leve e depois…bem, depois, é contigo, mas eu não recomendo que você se leve pra cama no primeiro encontro, vai fazer com que você se ache fácil e depois descarte a si mesmo. E bem, você não quer que você mesmo comece a te telefonar de madrugada te chamando de canalha, não?

P.S: Alguém mais aqui, quando pensa no dia dos namorados, acaba inevitavelmente se lembrando dos problemas que Charlie Brown tinha por nunca receber um cartão? Sério, eu realmente associei a data com isso…

10 Comentários

Arquivado em Crônicas