Arquivo da tag: dramas da vida real

Sobre maçãs, brigas de casal e uma certa sensação contemporânea de repressão emocional

in-the-line-of-duty-5-middleman-screenshot

E tinha um casal brigando no mercado. Ela dizia que ele era um canalha, ele falava que ela estava sendo uma vaca, ela tentava pegar o celular da mão dele, ele se defendia com o que parecia ser um pacote amassado de pão integral, o carrinho balançando perigosamente entre os dois, uma bandeja de ovos vermelhos ali prestes a cair.

No entorno o clima era de constrangimento. Idosos desviavam o olhar, mães puxavam seus filhos para o lado, outros casais pareciam estranhamente mais interessados do que de costume no processo de escolha de congelados pro jantar – “mas amor, olha esse aqui, esse tem brócolis também” – e eu perguntava para um repositor por que não tinha mais maçã da turma da mônica no que poderia parecer uma tática de distração mas era uma dúvida genuína, já que eu sou péssimo escolhendo fruta, as maçãzinhas da turma da mônica sempre vinham muito gostosas e ensacadinhas, era bem prático, fiquei chateado de não achar.

Continuar lendo

4 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, Crônicas, Desocupações, Gente bizarra, homens trabalhando, romantismo desperdiçado, Sem Categoria, situações limite, Vacilo

Sobre barbas, onças e um certo senso de suspense e trauma matinal

Audiência-A-Praça-é-Nossa

Você estava saindo do apartamento, mais ou menos numa boa. Nesse dia não estava atrasado, nesse dia não tinha reunião, a ida pro trabalho poderia ser tranquila e sem solavancos, era só deixar uma caixa com o porteiro e pronto, dali pro metrô, do metrô uma tranquila caminhada pro trabalho, o clima parecia até ameno.

Aproximou da bancada da portaria, deu aquele bom dia. O porteiro, o mais idoso dos que revezavam na portaria, respondeu bom dia. Deixou a caixa, explicou que iam recolher naquele dia ou amanhã, ele disse que tudo bem, você disse que eram uns óculos que você tinha pedido e que deixavam provar em casa, ele disse que tudo bem, você falou que era porque o seu já tava ficando meio esquisito, ele disse que tudo bem, você agradeceu de novo, ele disse que tudo bem, você se perguntou porque sempre se explicava demais pras pessoas, imaginou o porteiro mentalizando um “tudo bem, cara, meu deus, tudo bem”. Já ia se despedir, tava dando a volta, quando ouviu a voz do porteiro te chamando. “Seu João, tava aqui com uma dúvida. Quanto tempo o senhor aguenta barbudo sem tirar?”.

Continuar lendo

6 Comentários

Arquivado em crise de meia meia idade, situações limite, Vacilo, Vida Pessoal

Algumas grandes pessoas imaginárias que em algum dado momento você inventou para fugir de algum compromisso, convenção social ou evento familiar, devido ao fato de que você é muito tímido para dizer não e inseguro demais para contrariar abertamente seus amigos e conhecidos

Gob-Bluth-and-Franklin-Bluth

a garota muito gata em quem você tava chegando: eles insistiram demais. você disse que não no bar, mas ele perguntaram de novo no outro dia, você falou que não podia pelo facebook mas te mandaram mensagem no whatsapp, você desligou o celular mas telefonaram no fixo, você tirou o fixo do gancho e no mesmo instante a campainha tocou e era só o cara do delivery mas mesmo assim. ficou o susto e a comidinha chinesa desceu com gosto de terror. você já tinha tentado ser sincero antes mas não tinha rolado – “quem fica em casa vendo buffy num sábado a noite, cara, que isso”. você já tinha tentado mentiras mais sutis mas não tinha rolado – “a gente não se importa se o campeonatinho do modo ultimate do fifa que vale mais pontos acaba em doze horas, fera”. você já tinha apelado até mesmo para desculpas que numa época mais antiga tinham dado certo, mas sem sucesso – “tu disse que sua mãe tava doente mas ela tá postando no facebook foto na praia, joão, que doença é essa?”. mas nada disso funcionou e você decidiu apelar. “cara, não posso, vou sair com uma gostosa” – “opa, a gente conhece?” – “não…não conhece…ela…ela…é de macapá. tá no rio de passagem, tem que ser hoje” – “e tem amiga?” – “não tem, nunca teve…quer dizer, veio sozinha” – “que beleza, se rolar depois encontra com a gente então”. você fica em casa mas gasta 2 horas da sua noite escrevendo uma espécie de bio da menina imaginária, envolvendo interesses (“gosta de cinema europeu, cachaça da roça, programa roletrando”), passado (“trancou a faculdade de sociologia no meio pra mochilar pelo estado de goiás”) e hábitos (“uma vez ela quis chutar um chihuahua e eu tive que impedir”). no dia seguinte ninguém te pergunta nada sobre o encontro imaginário e você se sente um pouco rejeitado.

Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em é como as coisas são, homens trabalhando, referências, séries canceladas, Sem Categoria, situações limite, teorias, Vacilo, Vida Pessoal

Dicionário pessoal de sensações ruins recorrentes: itens #56, #57 e #58 e subitem #57.1

ben-wyatt-eagle1

#56 – a piada que já era ruim e inoportuna e vai se tornando mais e mais ruim e inoportuna conforme você é obrigado a oferecer explicações sobre ela

“e aí eu tava saindo lá da quinta DP quando eu encontrei com ele”

“epa, foi um dia longo então hahahaha”

“como assim?”

“pô, onze da manhã e você já saindo da quinta DP”

“como assim, eu não entendi”

“não é que…assim, onze da manhã e você tinha feito cinco DPs já, sacou?”

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, crise de meia meia idade, situações limite, Vida Pessoal

Grandes pequenos momentos conversacionais presenciados em aeroportos #67, #68 e #69

arrestd

#67 – o  telefonema ostentação:  quase sempre acontece numa fila. Pode ser a fila do embarque, poder ser a fila pra despachar mala, pode ser a fila pro detector de metais. Alguém na sua frente, ou atrás de você está falando ao celular. Mas não falando ao celular como você costuma estar num aeroporto, se despedindo da sua mãe, avisando pra namorada que vai chegar mais tarde. Não, essa pessoa está falando ao celular coisas importantes, ela está decidindo problemas, ela está tomando decisões. E ela está fazendo isso num volume muito alto, quase sempre mencionando o quão importantes são essas decisões, o quão críticos são esses problemas, o quão importantes são essas coisas importantes, além de sempre destacar, num volume mais alto ainda, o destino da viagem e quanto tempo ela vai ficar nesse lugar. Exemplo ilustrativo do telefonema ostentação: “Não, Selma, DIRETORA DE ESTRATÉGIA, eu não posso falar agora porque O PRESIDENTE me mandou nessa VIAGEM PARA MILÃO, onde estarei COMANDANDO A NEGOCIAÇÃO com os italianos, DURANTE SETE DIAS. E não, meu telefone IPHONE BEM CARO não tá com problemas de volume, por que você tá perguntando isso?”

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, Desocupações, homens trabalhando, Mundo (Su)Real, séries canceladas, Sem Categoria, situações limite, Vacilo

Mais algumas recentes adições ao guia cada vez mais pessoal de desconfortos cotidianos

troy-and-abed

#Você não lida bem com elogios, então sua primeira reação é dizer que não foi nada. “Não foi nada, que isso”, você diz. A pessoa insiste e você tenta dizer que não foi algo especial, nada de mais. “Você faria igual, sério, foi bem ok”. A pessoa não deixa quieto e diz que não tem nada de ok, ela nunca faria algo assim, foi bacana mesmo. “Que isso, é você sendo gentil, certeza que tem um monte de gente que faria melhor, claro”. A pessoa definitivamente gostou e diz que não, cara, melhor que ela já viu na vida, foi espetacular mesmo. “Mas foi na sorte, sabe? Tipo, eu não consigo sempre fazer assim, né?”. Mas o cara te acha um gênio, ele gostou mesmo, ele curtiu muito. “Não, mas você não tem ideia, esse saiu bom, você gostou, mas o resto? Pô, faço muita merda, é que você me viu numa hora boa, sabe? Assim, uma em um milhão”. Mas o cara não pára, ele diz que tá lindo, ele fala que tá sensacional, ele quer te dar um abraço. E então você diz que não. Que não é assim. Que você não é tão bom. Que é tudo uma farsa. Que você não faz aquilo tão bem, que você não é um bom profissional, não é um bom filho, que queria ser um namorado melhor, que fez aulas de natação mas não se sente seguro na piscina, que as vezes cospe quando fala, que não consegue mais viver essa mentira e quando você tá começando a mencionar que chorou logo após a sua primeira vez o cara já foi embora e bem, como eu tava dizendo, você não lida bem com elogios.

Continuar lendo

4 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, crise de meia meia idade, Desocupações, homens trabalhando, Rio, situações limite, Vacilo, Vida Pessoal

Mini-conto #18 – “Questões recorrentes sobre o tema viagem no tempo”

frequently_asked_questions_about_time_travel_chris_o_dowd_2

Nesse dia eu estava esperando um amigo na estação do metrô e perto das catracas estava um casalzinho. Na verdade não exatamente um casal, mais um garoto e uma garota.

Ela parecia ter uns quinze, daquelas meninas que cresceram mais rápido que os meninos da turma e perceberam essa informação ainda de uma maneira meio difusa, como uma mudança de ambiente que ela pressente mas não é capaz de precisar. Ele parecia ser da mesma idade, mas era menor, carregando a mochila dele, dela e um combo de cabelo cortado pela mãe, aparelho ortodôntico fixo e óculos escolhido sem muito critério que claramente pesava na vida dele mais do que todas as mochilas do mundo. Os dois estavam encostados na parede, ela olhando ansiosa pro outro lado da catraca, ele olhando ansioso pra ela, eu olhando ansioso para o candy crush porque sempre fico preso nas fases de transição já que me sinto sem graça de pedir que as pessoas me ajudem a desbloquear as etapas novas.

Continuar lendo

6 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, contos, crise de meia meia idade, homens trabalhando, romantismo desperdiçado, Sem Categoria, situações limite, Vacilo, Vida Pessoal

29

schimidt
As ideias básicas por trás do conceito de vida adulta, ao menos a vida adulta como venderam pra gente, são basicamente três: autonomia, estabilidade e maturidade.

Autonomia porque resolvemos nossas coisas sozinhos. Pagamos nossas contas sozinhos, moramos sozinhos, trabalhamos sozinhos, decidimos sozinhos. Mas trabalhamos em equipes, temos que consultar um chefe, arrumamos namoradas, passamos finais de semana na casa dos pais. Pedimos opinião dos amigos, consultamos resenhas na internet, temos happy hours com galera, nos sentimos sozinhos, trocamos piadas horríveis em grupos do whatsapp. Mandamos mensagens longas demais quando bebemos, vemos filmes que nos fazem lembrar de pessoas, queremos dividir com os outros aquela música. Escrevemos pra alcançar pessoas, viajamos pra encontrar pessoas, dormimos encostados em pessoas. Sentimos falta de outras pessoas de manhã.

Continuar lendo

10 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, Crônicas, crise de meia meia idade, Vida Pessoal

Mais adições ao guia pessoal de desconfortos do cotidiano

funny-movies-with-steve-carell.jpg

#Ser apresentado a uma pessoa, não conseguir guardar o nome dela, não ter mais contato com ela, não se preocupar. Meses depois topar com essa pessoa por acaso, descobrir que ela guardou seu nome, descobrir que ela por alguma razão está interessada em falar contigo. Ter momentos de terror durante uma conversa na qual ela se refere a você pelo nome em toda e cada uma das frases, o que apenas evidencia o quanto você não sabe o nome dela, já que ela se refere a você como joão e você se refere a ela como “cara”, “velho”, “prezado”, “dileto”, “querido” e “bacharel”, o que parece uma referência aos trapalhões mas é apenas um sinal de desespero. Passar o resto da vida evitando essa pessoa em ocasiões profissionais e pessoais mesmo que pra isso você precise atravessar ruas, trocar de vagão no metrô e num dado momento abandonar um prato semi-feito num restaurante self-service.

Continuar lendo

7 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, Desocupações, Rio, situações limite, Vacilo, Vida Pessoal, vida profissional

3 grandes falhas discursivas que acontecem quando sou obrigado a interagir com pessoas desconhecidas ou com quem tenho pouca intimidade em ambientes ou momentos de extrema pressão pessoal ou profissional

new-girl-s2-ep24

A gíria bizarra – Sendo eu uma pessoa que só poderia ser considerada articulada pelos mesmos critérios que bonecos são considerados articulados – meus joelhos e cotovelos dobram – todo nível de interação pessoal que não seja previamente planejada e ensaiada com no mínimo 120 minutos de antecedência na minha cabeça ou mediada virtualmente e realizada por escrito tende a se tornar uma experiência não apenas complexa como também frustrante. Daí que uma coisa que para a maioria das pessoas seria uma surpresa positiva – reencontrar um velho conhecido no shopping, por exemplo – para mim rapidamente se torna uma experiência de terror abjeto já que, desorientado e confuso, considero que uma boa forma de disfarçar o meu pânico seja com o uso de gírias, para oferecer um ar de descontração ao momento. Daí respondo sobre como eu estou com um “sussinha”, descrevo meu trabalho como “tranquilo como um grilo e manso feito um ganso” e me despeço com um “vai na paz, queridão”. Certa vez respondi a uma pergunta numa reunião com “beeeeleeeeuza, creuza”. Sim, um encontro casual e me transformo num figurante estranho num filme do Zé Wilker.

Continuar lendo

13 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, Gente bizarra, situações limite, Vacilo, Vida Pessoal, vida profissional