Arquivo da tag: mundo corporativo

4 possíveis posturas para sobreviver em reuniões ligadas a assuntos sobre os quais você não entende absolutamente nada

creed

O anotador – E você foi pego de surpresa pela reunião. Um gerente morreu, seis coordenadores foram atropelados, três assistentes precisaram viajar e você, que estava para a escala de presença desse evento mais ou menos como o Alceu Valença está para o trono da Suécia, acabou sendo a única opção razoável para representar a sua área num encontro sobre a nova padronização de blowouts e gushers, para o qual você estaria totalmente preparado, não fosse achar que gusher era um tipo de comida judaica. Sentado na sala você nota que não apenas não conhece as pessoas, não entende do assunto e não sabe o que precisa fazer como também não teve acesso a brochura que todos estão consultando a cada palavra. Desesperado, você pega o caderno e começa a anotar. Sim, anotar. Anota o nome dos participantes, anota o local da reunião, anota o que explicam no quadro, anota os comentários e quando nota que realmente não está entendendo porra nenhuma começa a anotar a marca dos móveis, sua lista de compras e as capitais dos antigos países da União Soviética.

Na semana seguinte comentam com seu chefe o quanto você pareceu interessado e disposto e duas pessoas querem te chamar pra fazer as atas das próximas reuniões.

Continuar lendo

15 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, referências, situações limite, teorias, trabalho, vida profissional

Duas situações levemente constrangedoras que te fazem repensar a sua relação com o seu emprego

O pornô: Uma gerente fala que precisa te passar um arquivo mas não pode ser por email, porque ele é grande demais e o melhor seria que você fosse até a sala dela e pegasse com um pen-drive. Você chega lá e ela liga o computador, pluga seu mimobot do Darth Vader e copia os arquivos da pasta dela. Quando ela vai selecionar a sua pasta, pra colar as informações, se depara com um arquivo chamado “Pornô.doc” e a sala fica em silêncio. Você pensa em explicar que aquilo não é pornografia e sim um texto que você escreveu pro seu blog, o que geraria algumas risadas e talvez uma boa história pra contar pros seus colegas e filhos algum dia. Mas ela não parece disposta a dar risadas, você não sabe se vai ter filhos e quando fica nervoso tem uma capacidade de argumentação e convencimento tão boa que se conversasse com a Jacqueline logo depois dos tiros ela ia achar que você tava mentindo, o Kennedy ainda estava vivo e tinha fugido pra Cuba com uma dançarina exótica.

Continuar lendo

10 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, crise de meia meia idade, situações limite, trabalho, vida profissional