Arquivo da tag: pagode

E agora para alguma coisa completamente diferente

21jun2013---kobe-bryant-e-anderson-varejao-participam-de-evento-no-parque-do-ibirapuera-nesta-sexta-feira-em-sao-paulo-1371848588234_1920x1080

Após uma pausa de alguns anos, o Magic Pagode retorna, com novo leiaute e novas cartas. Prestigie e apóie a indústria nacional clicando aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em trabalho, vida profissional

Mais 4 razões pra respeitar o pagode da década de 90

Os nomes: Todo mundo sabe como é complicado achar um bom nome pra uma banda, ainda mais nos dias de hoje, quando boa parte dos nomes bacanas já tem dono e as pessoas são forçadas a usar coisas como palavras sem sentido, fusão de apelidos dos integrantes ou o nome da barraquinha de cachorro quente na qual o carro deles bateu naquele dia em Santos.

Exatamente por isso devemos respeitar a sempre impressionante criatividade dos grupos de pagode da década de 90, que gerou nomes que foram desde as mais absurdas variações em torno da palavra “samba” (Exaltasamba, Abolisamba, Badallasamba, Descontrasamba, Dedicasamba e etc) até coisas totalmente nonsense e beirando o absurdo como “Só Preto sem Preconceito”, “Bala, Bombom e Chocolate”, “Chocolate sensual” e, meu favorito, o “Grupo Sónabusanfa”. Porque pagode e modalidades sexuais não reprodutivas, ao que parecem, caminham juntos.

Continuar lendo

24 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, Músicas e derivados, Song-Book, teorias, Top

Magic Pagode – Expansion Deck

E então é aquela coisa: portal novo, endereço novo, layout novo, vida nova e tenho pensado seriamente em mudar meu nome pra Walter ou Nelson. E para marcar esse momento cheio de emoção, sentimento,mudanças e dificuldades para escolher uma imagem pro header do blog, nada mais justo do que retomar um dos meus mais audaciosos projetos, o já lendário “Pagode- The Gathering”, também conhecido como Magic Pagode, o primeiro card game musical do Brasil a usar fotos do Amaral para ilustrar cartas.

Acessem esse projeto instigante clicando aqui, amigos.

10 Comentários

Arquivado em Músicas e derivados, Mundo (Su)Real

Top 5 – Pagodes significativamente canalhas*

Inimigos da HP** – Que situação: A dramática história de um cara que saiu pra noite pensando apenas em zoar e chegando na noitada descobriu que lá estavam não só a garota com quem ele estava ficando como o namorado dela. Indignado com essa falta de consideração e respeito da parte deles, ele sugere a ela que agrida e xingue o namorado, pra que eles possam passar a noite juntos. Sério, é basicamente isso, só que rimando. Coisa de tocar o coração mesmo.

Exaltasamba – Livre pra voar: Música que caminha no estreito limite entre a cafajestagem e o telefonema ameaçador no meio da madrugada (“quando eu te pegar você tá perdida/vai se arrepender de um dia/ter me tirado do meu lugar”), defende o direito natural do homem (ou apenas do vocalista Thiaguinho) de desenvolver o pega-pega freestyle com carinho mas sem compromisso, numa espécie de consignação emocional. Com essa canção o Exaltasamba sedimentou no pagode brasileiro as bases do movimento da canalhice consciente, versão malandrona e não monárquica do despostismo esclarecido, tão em voga na Europa do século XVIII.

Continuar lendo

17 Comentários

Arquivado em Músicas e derivados

Top 5 – Ex-vocalistas de grupos de pagode

belo

Rodriguinho: Ex-vocalista dos Travessos, a primeira boy-band com nome de série pornô gay da história da música brasileira, Rodriguinho conheceu no grupo o auge do sucesso, com canções como “Quando a gente ama”, um hino do pagode de corno; “Meu querubim”, hit máximo no programa Xaveco, apresentado por Celso Portiolli; e “Tô te filmando”, uma música sobre stalkers, pessoas obcecadas e coisas do tipo. Infelizmente sua carreira-solo não teve o mesmo destaque na mídia e apenas agora, com sua parceria com Thiaguinho na canção “Palavras de amigo” (que consiste basicamente em um cara avisando pro outro que a namorada dele é uma pistoleira e o outro reagindo com um “ah, tudo bem então…”) ele voltou aos holofotes e aos programas do Celso Portiolli, que são seu lugar de direito.

Continuar lendo

13 Comentários

Arquivado em Músicas e derivados, Mundo (Su)Real, Sem Categoria

Santa capacidade de concentração, Batman!

A Barata da Vizinha

E eu tinha sentado na frente do computador pra terminar de escrever a segunda parte do post sobre o meu aniversário, mas depois de quinze minutos tudo que eu tinha conseguido produzir era…isso. Portanto achei melhor deixar a segunda parte pra daqui a dois dias. Até lá.

5 Comentários

Arquivado em Desocupações, Mundo (Su)Real, Sem Categoria

Top 5 – Canções mais bonitas de Alexandre Pires

Mineirinho: Alexandre Pires, como todo grande artista, sempre gostou de desde o começo da carreira, flertar com o complexo, o criativo, o paradoxal. E quer coisa mais paradoxal do que um mineiro fazendo uma música pra falar pra todo mundo que o mineiro é de fazer e não de falar? Com essa canção que é a versão musical de começar a gritar dentro de uma biblioteca para pedir silêncio, o Só Pra Contrariar não só fez self-marketing (e espero que todos eles tenham conseguido pegar alguém graças a isso) como alcançaram as paradas de sucesso e lançaram Alexandre como um sex symbol para o novo milênio.

Interfone: É até um pouco complicado pra mim falar dessa música pelo tanto que ela me emociona. Afinal, eu imagino Alexandre Pires sentado em casa, sozinho, solitário. Ele viu o Jô, ele viu o Intercine (no qual ele tinha votado em “Simples como amar” mas acabou tendo que ver “Fuga de Absolon”) e depois, no auge da derrota, ele viu o Amaury Junior. Aí ele ficou chateado, até eu ficaria. Então ele saiu, entrou no carro e foi, a duzentos por hora, até a frente do prédio da amada. Chegando lá ele foi barrado pelo porteiro que, recém-contratado e nada afeito as revistas de fofoca, ainda acha que Alexandre namora com uma das Scheilas e não entende o que a voz máxima do pagode mineiro está fazendo ali. E então, num gesto de supremo amor e desespero, Alexandre pega o celular, abre seu coração e manda, de lá de dentro, do seu âmago mais recôndito um “mas o porteiro é novo, ele não me conhece, tá cheio de suspeitas, tá desconfiaaaaaaaaado”. Cara, eu estou chorando aqui. É foda.

A barata : Nunca é demais dizer que Alexandre Pires é acima de tudo um pioneiro. Muito antes da Wired, muito antes do Steve Jobs, muito antes dos caras do Google, do Facebook, do Twitter, o ex-vocalista do SPC já trabalhava na música interativa, no pagode 2.0, no partido-alto colaborativo, no samba wiki. Sim, ou o que mais você pode dizer de um samba em que Alexandre lança as bases rítmicas e você mesmo pode continuar a letra de acordo com sua vontade, oferecendo uma colaboração pessoal e inovadora como letrista? Afinal, a barata era da vizinha do Alexandre, mas quem decidia o que fazer com ela era você! Pistolada, sapatada, cabeçada, desintegrada, o poder era todo seu, meu amigo.


Essa tal liberdade:
Nessa música Alexandre propõe uma das grandes questões da humanidade, tão complexa quanto o paradoxo do gato de Schrödinger, o “ser ou não ser?” de Hamlet ou o “should i stay or should i go?” do The Clash. Afinal, o que que eu vou fazer com essa tal liberdade se estou na solidão pensando em você? Eu andei errado, eu pisei na bola, troquei quem mais amava por uma ilusão, mas a gente aprende, a vida é uma escola. Não é assim que acaba uma grande paixão. E ainda virou música-tema de propaganda da Malwee, lembra? Gênio, gênio.

Depois do Prazer: Primeira coisa a ser dita sobre “Depois do prazer” é que apenas um campeão, um gênio, um macho-alfa, um predador emocional, é capaz de começar uma declaração de amor com as palavras “tô fazendo amor com outra pessoa” e ainda se dar bem. Mas para Alexandre Pires, um conquistador que ganha pela confusão e dissuasão da mulher amada, isso é pouco, claro. Depois dessa ele ainda manda um verso de extrema complexidade como “a verdade é que eu minto” e a mulher, que não sabia se ele estava indo ou vindo, começa a se questionar que raios está acontecendo ali. E aí, pra fechar, ele manda o “posso até gostar de alguém, mas é você que eu amo”, o que faz com que a mulher perceba que as emoções de Xandeco são tão complexas que Stephen Hakwings era o amigão com quem ele desabafava durante os namoricos de colégio e que resistir é inútil, tem mais é que voltar com o cara antes que ele diga qualquer outra coisa desse tipo e ninguém entenda mais nada. (E claro, não podemos deixar de lembrar mais duas frases épicas dessa canção: “o que o corpo faz a alma perdoa”, um belo verso sobre traição e “emoção foi embora e a gente só pede pro tempo correr” que é evidentemente sobre a incapacidade de Alexandre de achar algo para fazer durante as 7 horas e meia que sobraram na suíte do motel após pegar aquela promoção de pernoite)

9 Comentários

Arquivado em Músicas e derivados, Sem Categoria, Top

Top 5 – Grupos de pagode que não deram tão certo assim

Só preto sem preconceito: Primeiro grupo montado por cotas na história da música brasileira (com 100% de cotas para negros) e cujo nome é uma contradição em termos (“sério, não temos preconceito. Mas pode sair daqui, branquelo maldito!”), o Só Preto sem Preconceito era dono de sucessos com títulos tão variados como “Não tão menos semelhante” e “Patinete do Morro”, além de ter sido colocado nessa lista só porque eu achava que eram eles que cantavam “Lá vem o Negão”, mas depois eu pesquisei no Google e vi que não era. Mas me deu preguiça de tirar os caras. Grande presença.

Só no Sapatinho : Eu sinceramente nunca entendi porque o SnS não fez mais sucesso, afinal um grupo de pagode com o filho do Zico é uma idéia tão boa quanto, sei lá, chamar o sobrinho do Zeca Pagodinho pra ser cobrador de faltas oficial do seu time. Humm…ok, talvez dê pra entender porque o grupo não fez tanto sucesso. Donos de um único hit, a música homônima (não, a música não se chama “Homônima”, ela tem apenas o mesmo nome do grupo), o SnS sempre será lembrado por ter composto um dos versos mais “dorgas mano, lol raiaiaia” do pagode nacional,daqueles que você não sabe se são sobre uma mulher ou uma pedra de crack (“vagabundo tá na rua da amargura/anda cheio de fissura/mas sou eu que vou levar”)e, para alguns mais atentos, por ter feito uma das melhores metáforas para contato íntimo que a música brasileira pode oferecer (“deixa eu por a mão no seu bichinho de pelúcia, deixa, deixa?”)

Nabusanfa: Bem, o que mais a gente precisa dizer sobre o grupo Nabusanfa além de que ele se chamava Nabusanfa? Se você ainda precisar de mais eu posso oferecer o refrão do grande (e possivelmente único) sucesso do grupo, a música “Mulher de Borracha”: “mulher de borracha/você se encaixa tão bem/não me esculacha/não fica de chico/e não pega neném”. Sim, é um pagode sobre uma boneca inflável, você não está viajando nessa.

Kiloucura: Único grupo de pagode que também poderia funcionar como restaurante self-service, o Kiloucura imortalizou seu lugar no pagode nacional com o sucesso “Pela vida inteira” e sua semi-coreografia/dancinha esquisita (“e as estrelas lá do céu/eu vou buscar/beijos com sabor de mel/eu vou te dar) e…e…bem…e depois não aconteceu muita coisa. Mas soube que o cardápio de hoje inclui picadinho e o quilo está 18,90 ou então é dez reais sem balança.

Ronaldo e os Barcellos: Autores da única música capaz de dividir com “Temporal” do Art Popular o título de pagode mais derrota da década de 90, Ronaldo e seus Barcellos (existe outro Barcelo além do Caco?) conseguiram marcar uma geração (ou um pouco menos) com seu clássico “Feliz Aniversário”, que contava a história de um cara que telefonava para ex-namorada no dia do aniversário dela para ficar se lamentando ao telefone e fazer algumas ameaças meio esquizofrênicas (“talvez à meia-noite eu ligue pra você/talvez não diga nada pra quem atender/talvez mande um presente pra você saber/que eu nunca te esqueci”) . Provavelmente Ronaldo está atualmente em tratamento e os Barcellos seguiram carreira solo ou estão junto com a Rapaziada que cantava com a Adriana.

40 Comentários

Arquivado em Crônicas, Músicas e derivados, Mundo (Su)Real, Sem Categoria

Top 5 – Músicas do Molejo que você tem que ouvir antes de morrer

molejo

Não sei se vocês se lembram, mas existiu uma época muito, muito tempo atrás, num lugar muito, muito distante em que todo mundo ouvia pagode. Sim, todo mundo. Eu ouvia pagode, você ouvia pagode, seu pai ouvia pagode, sua tia ouvia pagode. Isso porque, é claro, em todo lugar tocava pagode. A rádio tocava pagode, na televisão passava pagode, nas festas se ouvia pagode, nas lojas de cd tocavam os cds de pagode. Não, não samba raiz de universitário intelectual, não samba com hip-hop do Marcelo D2, não sambinha MPB nessa coisa Maria Rita/Los Hermanos ou samba rock do Farofa Carioca. Nada disso, meu amigo, era pagode mesmo.

Nomes como Exaltasamba, Soweto, Os Morenos, Só Pra Contrariar e Karametade causavam nas garotinhas incautas o que hoje causam NxZero, Fresno e derivados, só que com mais gente no palco, mais ginga, mais malícia e mais suingue (e claro, menos franja). E nesse panteão onde Alexandre Pires dominava as paradas de sucesso com suas reflexões filosóficas (“o que que eu vou fazer com essa tal liberdade?”, “a verdade é que eu minto”, “ele vai dar uma pistolada na barata dela”), e Belo tocava as almas e os corações com sua poesia  cuja criatividade beirava o construtivismo(“derê, derere, dumdum, dê rererere”), surgiu um grupo que representava tudo que de mais descompromissado, mais fanfarrão, mais bizarro, mais sem noção significava o pagode da década de 90: o Grupo Molejo.

Formado em 1993 por Anderson Leonardo, Andrezão e mais um monte de caras que ficavam rodando na parte de trás do palco da Xuxa fingindo que tocavam alguma coisa,o Molejo era conhecido por suas letras irreverentes, brincalhonas, bem-humoradas e na maior parte das vezes totalmente sem sentido, que tanto acrescentaram ao pagode-pop nacional e tanto sucesso fizeram nas rádios. E é em homenagem a esse grupo que tantas alegrias (ou não) deu a todos nós durante tantas viagens de ônibus nos tempos do colégio e que agora retorna ao estrelato com seu novo CD “Todo mundo gosta” que eu me propus a fazer essa pequena lista (afinal, cinco músicas diante de uma obra extensa como a do Molejo é como escolher apenas cinco filmes diante da filmografia completa de Uwe Boll)

Cilada: Sucesso em todas as excursões escolares junto com “Barata da Vizinha” e “Fogo e Paixão”, essa canção foi uma das incursões do grupo na arte de representar as dramáticas histórias de amor e sofrimento das classes menos favorecidas, com o conto de um rapaz que, interessado por uma moça, deixa que ela o obrigue a prestar serviços domésticos na expectativa de recompensas de cunho afetivo. Tente não se emocionar com o genial refrão que diz “não era amor ô ô/não era/não era amor era/cilada cilada”.

Brincadeira de criança: Uma canção feita não apenas para tocar nas rádios mas também para cumprir uma função social: acelerar o processo de sexualização das crianças do Brasil. Mais uma vez o Grupo Molejo dá aquele passo adiante em termos de composição e nos brinda com uma das frases mais memoráveis da música brasileira: “Até que enfim, chora pra beijar, hein!?”.

Samba Diferente: Também conhecida como a “melô do Frei Damião” (“pode quebrar o pescocinho pro lado, vai, vai, vai, vai”), essa bela canção consiste basicamente em uma série de comandos sem sentido que quando combinados formam uma coreografia que estava no estreito limite entre o inusitado, o curioso e o absolutamente babaca. Méritos do grupo que conseguiu fazer com que várias pessoas pelo país inteiro passassem a vergonha de seguir o que eles diziam sem nem pensar duas vezes.

Paparico: Reafirmando sua verve de bardos do proletariado do século XX, Anderson Leonardo e Andrezão retornam com essa história sobre um rapaz que deseja impressionar uma jovem e para tanto usa de artifícios visando mascarar sua desconfortável situação financeira, o tipo de história que deixaria John Ford boladaço. Destaque para o verso sobre o cheque sem fundo no motel. Massa, véi.

Sweet Banana: Clássico do pagode dadaísta, Sweet Banana é uma dessas músicas que à primeira vista não dizem muita coisa, mas que numa análise mais apurada não significam absolutamente porra nenhuma.

27 Comentários

Arquivado em Desocupações, Músicas e derivados, Mundo (Su)Real, Sem Categoria, Top