Arquivo da tag: problemas práticos

Vietnã, 1968, visualizada mas não respondida

texting

justificativas aceitáveis pra que você tenha visualizado aquela mensagem e não respondido: estava ocupado; estava no trânsito; estava tendo um dia ruim; esqueceu; o 3g estava falhando; problemas no aplicativo; estava envolvido em uma partida especificamente competitiva de war e quando começou a digitar alguém gritou SEM CELULAR SEM CELULAR; achou que tinha mandado mas nunca tinha clicado enviar; “puuutz, eu queria responder mas aconteceu um negócio”; não pensou numa boa resposta na hora; estava tentando indicar de maneira sutil que não havia interesse em continuar a conversa sem necessariamente causar o pequeno drama de explicar isso com palavras achando que um gesto vagamente cruel mas direto poderia realizar essa função; “meu cachorro comeu meu celular”; estava com uma certa birra porque ela demorou demais na mensagem anterior.

Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em é como as coisas são, referências, situações limite, Vida Pessoal

Mini-conto #22 – “Quatro momentos em que Adolfo queria dizer alguma coisa para Patrícia e acabou não dizendo, porque vocês sabem como são essas coisas″

capa blog
era novembro, era o segundo encontro, era ela rindo com o copo de cerveja na frente do rosto. ela era linda, o sorriso era lindo, a cerveja parecia mais gostosa, o bar parecia melhor, as buzinas do trânsito pareciam tocar uma canção, a vida era tão parecida com uma produção da disney que ele estava surpreso de nem ele e nem ela terem como amigo um animal falante. ela ajeitou o cabelo, olhou pra ele, perguntou se estava tudo bem. ele queria dizer que estava tudo ótimo. ele queria dizer que tudo estava muito ótimo. ele queria dizer que na verdade ele nem tinha ideia do quão não-ótimas as coisas estavam antes porque ela tinha criado pra ele um novo referencial de ótimo, e agora ele teria que recalcular tudo que ele já havia considerado ótimo baseado no quão ótimo aquele momento era e ele desconfiava que nenhum outro momento já havia sido tão ótimo porque nenhum outro momento tinha tido ela, tinha tido aquele sorriso, tinha tido aquela ajeitada de cabelo, tinha tido aquele nariz tão pertinho do dele. ela perguntou de novo. “tá tudo bem?”. ele respondeu “opa, sim, tinha engasgado aqui com a espinha do peixinho”. eles tavam comendo batata frita.

Continuar lendo

6 Comentários

Arquivado em contos, Ficção, homens trabalhando, romantismo desperdiçado, situações limite

Você não é o que você ouve (ou lê, ou assiste) ou “Rob Gordon estava meio errado”

falamsana

Seres humanos são criaturas complicadas. E não falo apenas por todos os momentos em que você vê alguém fazendo algo absurdo, inexplicável ou apenas constrangedor e se vê coçando a cabeça e dizendo “é, complicado…” mas porque somos realmente complexos, em qualquer nível de análise.

Temos traços de personalidade conflitantes, atitudes contraditórias, um processo de comunicação cheio de sutilezas e nuances, uma variedade de características positivas e negativas imensa demais para ser realmente catalogada. Como eu já disse, somos complicados.

E por isso um recurso que sempre usamos, pra lidar com as outras pessoas e com toda a complexidade que elas representam, é a generalização, a simplificação, que é a nossa maneira de deixar de lado toda essa complicação e tirar daquela pessoa uma sinopse, uma imagem aproximada, sem ter que navegar em todos os detalhes que formam aquela personalidade. Por exemplo, Pedro não é “um cara tímido porém carente que lida com suas inseguranças usando o humor como escudo”. Pedro é “metido a engraçadão”. E pronto.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Sem Categoria

Doenças da modernidade: caso #3, a “lesão físico-cognitiva”

contemplative jazz music

A lesão físico-cognitiva: Nome dado a um grupo de lesões de pequena e média gravidade que tem como principais traços em comum o fato de que a) são infligidas pela vítima a si mesma, de maneira involuntária e b) o dano psicológico gerado por elas é sempre tão ou mais sério do que o dano físico. Isso acontece porque sendo quase sempre a lesão resultado de um descuido ou distração, a vítima sofre tanto com a dor física da contusão quanto com a humilhação de saber que é ela mesma a responsável direta ou indireta pelo ferimento, levando a momentos de desequilíbrio emocional, auto-recriminação ou apenas de questionar a própria capacidade de residir sozinha em um ambiente onde também estão presentes lâminas afiadas e caixas metálicas de onde sai fogo.

Abaixo seguem alguns dos mais comuns exemplos de lesão físico-cognitiva:

Continuar lendo

3 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, Crônicas, Desocupações, Sem Categoria, Vacilo, Vida Pessoal

Problemas práticos do romantismo teórico – XXV

parks-and-rec-louis-ck1

Poucas coisas são mais complicadas quando se trata de relacionamentos humanos do que conseguir dimensionar corretamente a impressão que você deixou em alguém. Não existem indicadores claros, não existem regras de proporcionalidade, não existe nenhuma sistemática que oriente ou regule o quanto você lembra de alguém em relação ao quanto essa pessoa se lembra de você.

Pessoas que você se esforçou por anos pra esquecer em quinze dias nem lembravam mais o seu nome, aquele telefonema que você lutou contra si mesmo durante meses para não fazer mas acabou realizando num momento de bebida e fraqueza é respondido com um “mas marcos? qual deles? o da academia?” e você ficou sabendo através de amigos que aquela garota que na sua cabeça está indexada como “a garota que foi embora” se refere a você em eventos sociais como “o carequinha que falava engraçado”.

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Desocupações, referências, romantismo desperdiçado, Sem Categoria, situações limite, teorias, Vida Pessoal

Algumas grandes pessoas imaginárias que em algum dado momento você inventou para fugir de algum compromisso, convenção social ou evento familiar, devido ao fato de que você é muito tímido para dizer não e inseguro demais para contrariar abertamente seus amigos e conhecidos

Gob-Bluth-and-Franklin-Bluth

a garota muito gata em quem você tava chegando: eles insistiram demais. você disse que não no bar, mas ele perguntaram de novo no outro dia, você falou que não podia pelo facebook mas te mandaram mensagem no whatsapp, você desligou o celular mas telefonaram no fixo, você tirou o fixo do gancho e no mesmo instante a campainha tocou e era só o cara do delivery mas mesmo assim. ficou o susto e a comidinha chinesa desceu com gosto de terror. você já tinha tentado ser sincero antes mas não tinha rolado – “quem fica em casa vendo buffy num sábado a noite, cara, que isso”. você já tinha tentado mentiras mais sutis mas não tinha rolado – “a gente não se importa se o campeonatinho do modo ultimate do fifa que vale mais pontos acaba em doze horas, fera”. você já tinha apelado até mesmo para desculpas que numa época mais antiga tinham dado certo, mas sem sucesso – “tu disse que sua mãe tava doente mas ela tá postando no facebook foto na praia, joão, que doença é essa?”. mas nada disso funcionou e você decidiu apelar. “cara, não posso, vou sair com uma gostosa” – “opa, a gente conhece?” – “não…não conhece…ela…ela…é de macapá. tá no rio de passagem, tem que ser hoje” – “e tem amiga?” – “não tem, nunca teve…quer dizer, veio sozinha” – “que beleza, se rolar depois encontra com a gente então”. você fica em casa mas gasta 2 horas da sua noite escrevendo uma espécie de bio da menina imaginária, envolvendo interesses (“gosta de cinema europeu, cachaça da roça, programa roletrando”), passado (“trancou a faculdade de sociologia no meio pra mochilar pelo estado de goiás”) e hábitos (“uma vez ela quis chutar um chihuahua e eu tive que impedir”). no dia seguinte ninguém te pergunta nada sobre o encontro imaginário e você se sente um pouco rejeitado.

Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em é como as coisas são, homens trabalhando, referências, séries canceladas, Sem Categoria, situações limite, teorias, Vacilo, Vida Pessoal

Mini-conto #18 – “Questões recorrentes sobre o tema viagem no tempo”

frequently_asked_questions_about_time_travel_chris_o_dowd_2

Nesse dia eu estava esperando um amigo na estação do metrô e perto das catracas estava um casalzinho. Na verdade não exatamente um casal, mais um garoto e uma garota.

Ela parecia ter uns quinze, daquelas meninas que cresceram mais rápido que os meninos da turma e perceberam essa informação ainda de uma maneira meio difusa, como uma mudança de ambiente que ela pressente mas não é capaz de precisar. Ele parecia ser da mesma idade, mas era menor, carregando a mochila dele, dela e um combo de cabelo cortado pela mãe, aparelho ortodôntico fixo e óculos escolhido sem muito critério que claramente pesava na vida dele mais do que todas as mochilas do mundo. Os dois estavam encostados na parede, ela olhando ansiosa pro outro lado da catraca, ele olhando ansioso pra ela, eu olhando ansioso para o candy crush porque sempre fico preso nas fases de transição já que me sinto sem graça de pedir que as pessoas me ajudem a desbloquear as etapas novas.

Continuar lendo

6 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, contos, crise de meia meia idade, homens trabalhando, romantismo desperdiçado, Sem Categoria, situações limite, Vacilo, Vida Pessoal

Tipos #12, #13, #14 e #15 de brigas de casal

paulofoul

#12 – O você tá levando isso muito a sério : Vocês se apaixonaram exatamente por causa das suas diferenças. O jeito sério dela complementa a sua fanfarronice, a sua paciência a ajuda a lidar com o próprio nervosismo, você gosta só de creme, ela adora chocolate e morango, ela precisa de dois travesseiros, você desde garoto dorme sem nada debaixo da cabeça. E isso seria lindo não fosse o fato de que você considera entrar no cinema depois que a sessão começa um sacrilégio, ela considera uma possibilidade, você considera uma toalha molhada debaixo da cama um descuido, ela considera um ato contra a pátria e a família, você considera brigar por causa disso bobagem, ela quer saber quem foi que você chamou de bobo, você diz que ela tá levando isso muito a sério, ela pergunta se então as coisas importantes pra ela são brincadeira pra você, a última coisa de que você se lembra antes de perder a consciência é de ver aquele joystick de xbox voando na sua direção.

Continuar lendo

7 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, romantismo desperdiçado, Sem Categoria, situações limite, teorias, Vacilo

29

schimidt
As ideias básicas por trás do conceito de vida adulta, ao menos a vida adulta como venderam pra gente, são basicamente três: autonomia, estabilidade e maturidade.

Autonomia porque resolvemos nossas coisas sozinhos. Pagamos nossas contas sozinhos, moramos sozinhos, trabalhamos sozinhos, decidimos sozinhos. Mas trabalhamos em equipes, temos que consultar um chefe, arrumamos namoradas, passamos finais de semana na casa dos pais. Pedimos opinião dos amigos, consultamos resenhas na internet, temos happy hours com galera, nos sentimos sozinhos, trocamos piadas horríveis em grupos do whatsapp. Mandamos mensagens longas demais quando bebemos, vemos filmes que nos fazem lembrar de pessoas, queremos dividir com os outros aquela música. Escrevemos pra alcançar pessoas, viajamos pra encontrar pessoas, dormimos encostados em pessoas. Sentimos falta de outras pessoas de manhã.

Continuar lendo

10 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, Crônicas, crise de meia meia idade, Vida Pessoal

Mini-conto #17 – Uma breve justificativa

marshall

Eu ando tendo uns problemas no trabalho. Desgaste, cansaço, estão me impedindo de sair pra procurar outra vaga, coisas assim, sabe?  Tive uma conversa franca, tentei argumentar, apresentei propostas, mas as coisas não andaram. Aí um dia esperei todo mundo sair e escrevi nas cascas das bananas que eles deixam no cesto de frutas palavras como “morte”, “terror” e “medo”, de maneira que conforme as frutas forem amadurecendo e as letras forem ficando pretas eles imaginem que o nosso andar tem fantasmas.

Continuar lendo

9 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, crise de meia meia idade, Declaração de princípios, situações limite, teorias, Vida Pessoal