Arquivo da tag: trutas e tretas

…e agora, para algo completamente diferente #89

gilberto barros

E nessa semana não temos texto novo no blog mas sim uma participação especial no Papo de Homem falando sobre o processo lógico das teorias da conspiração, o que elas dizem sobre a época em que vivemos e o fato de que se você escreve um texto dizendo que teorias da conspiração estão, em 99% das vezes, absurdamente equivocadas, cerca de 90% dos comentários vão ser de pessoas dizendo que seu texto é parte de alguma conspiração pra que as pessoas não saibam da verdade.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Internet, Milton Neves, referências, trabalho, vida profissional

Mini-conto #19 – “Submarino”

submarineunpopular

Primeiro eu tinha que esquecer o seu sorriso. Esquecer a sua boca, esquecer as covinhas do seu rosto, esquecer o jeito como a sua franja caía pela sua testa, como você prendia o cabelo atrás da orelha. Depois esquecer a sua risada, esquecer o som da sua voz, esquecer o seu jeito de cantarolar, esquecer o sotaque que você achava que tinha perdido mas eu notava, esquecer o jeito como você piscava pra mim quando achava que ninguém estava olhando.

Depois seriam as coisas maiores. O seu jeito de encostar os pés nos meus na cama, o gosto da sua boca, a sensação da sua cabeça no meu ombro enquanto a gente assistia algum filme chato no sofá, as suas mãos debaixo da minha camisa pra se esquentar quando sentia frio. Os abraços quando a gente se encontrava, os beijos quando a gente se despedia, você apertando a minha mão quando alguém estranho passava do nosso lado na calçada.

Continuar lendo

8 Comentários

Arquivado em cinema, citações, contos, crise de meia meia idade, homens trabalhando, referências, romantismo desperdiçado, Sem Categoria

Quando você diz que sente falta de ser solteiro eu penso em…

himym-right-place-right-time-cowboy-ted

# e ali você era o inocente útil. falaram que queriam te convidar por causa da música, que pensaram em você por conta do lugar, que tu não podia ficar de fora por causa da comida, mas na verdade você tava ali pra completar quatro no táxi, longe pra caramba a barra da tijuca, bandeira dois moendo, vai saber. chegando lá a música era ruim, a comida era cara, a faixa etária era errada e um cara muito musculoso coberto de glitter num dado momento tirou a camisa e quis te abraçar, te chamando de rômulo, você tá muito confuso. sentado na mesa, olhar perdido, perguntou pro garçom a senha do wi-fi, ele disse que ia trazer, trouxe um drink hi-fi, tu nem gosta de fanta laranja. começa a resmungar com seu casal de amigos em voz alta, diz que quer voltar, arca com a despesa do táxi, arca com a despesa do bar, arca com a dívida externa de diversos países em desenvolvimento, só quer ir pra casa. na mesma mesa, desolada, gatinha amiga da amiga da amiga, também dano colateral da balada, pratica os mesmos resmungos, não tá nada feliz, a aparência é de tristeza e abandono. amiga senta entre vocês dois, já mais alta que uma pipa, falando engrolado porque enrolado é complicado de falar. diz que vocês tão perdendo a festa, fala que precisam aproveitar, abraça os dois, fala que são duas pessoas ótimas, que na verdade até combinam, ela queria juntar os dois, te chama de rômulo também, você começa a achar que tá tudo errado. amiga insiste, você levanta a cabeça, olha pra gatinha com aquele ar de “estou constrangido mas aí até aprovo esse esquema se você quiser eu tô beleza, aproveitar essa noite linda, que tals?” e vê nos olhos da gatinha uma negação e um terror abjeto nunca dantes vistos pelo homem, já que a warner não quis financiar aquela versão do del toro pras montanhas da loucura do lovecraft. paga a conta, paga o táxi, paga o parabéns, vai pra casa, liga o xbox, entra na live, conexão tá ruim, perde de sete a zero porque o time se move em slow motion, vai dormir. a fanta laranja do hi-fi ataca a tua gastrite durante a noite.

Continuar lendo

15 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, homens trabalhando, situações limite, Vacilo, Vida Pessoal

Dos robinhos da maldade, dos denílsons da babaquice

denilson

Por mais que nós tenhamos consciência de como o mundo é duro, a realidade é complexa e nem sempre aqueles ideais de amizade, harmonia e um coleguinha emprestando o giz de cera pro outro, que aprendemos em casa e na escola, conseguem ser diretamente aplicados por todos na vida real, é sempre um certo choque quando somos obrigados a aceitar que alguma pessoa, seja ela próxima ou distante, está agindo de forma deliberada visando nos prejudicar. Afinal, na nossa narrativa pessoal nós somos os protagonistas, na nossa visão de mundo nós somos os mocinhos, no star wars de cada um somos todos Luke Skywalker e ninguém quer ser Darth Vader (ainda que eu pessoalmente ache mais bacana ser o Lando por que nada supera o combo capa e bigode).

Continuar lendo

9 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, homens trabalhando, Sem Categoria, situações limite, teorias, Vacilo, Vida Pessoal, vida profissional

Mais dois casos clássicos dos double binds da vida

george michael

#Você organiza pelada e pelada é só amigos, pelada é só alegria. Futebol society, campinho gramado, barzinho do lado. Dois timinhos de seis, espaço pra trabalhar a bola, pensar na tranqüilidade, tocar pra quem tá mais bem posicionado, desenvolver a malícia desportiva. Timinho de fora pra manter competitividade, mas não completo, rola par ou ímpar pra ver quem fica. Durante dois meses tá de boa. Mês seguinte não tem timinho de fora, mas tá tranqüilo,corre mais, ainda que com menos seriedade porque sem sair você sabe como malandro fica. Um mês depois começa a ficar complicado de dar doze, tem que chamar galera da pelada anterior pra completar, mas tá de boa, é coisa do momento, janeiro é foda, geral de férias. Aí na outra semana só tem dez, maior correria, mas a pelada rola. Aí numa quarta chove e só tem seis, seis é foda. Na outra vão cinco, cinco é sacanagem. Falta dinheiro pra quadra, pelada mia, você fica puto. Manda email reclamando e pedindo pra cada um levar um amigo, pra pelada não morrer, email emocionado, usa a palavra “comprometimento” em itálico sublinhado. Chega quarta, cada um leva seis amigos. Pelada lotada, oito times de fora. Você pensa que agora tá bacana. Galera sai puta porque tinha gente demais e não rolava de jogar. Você pede pra galera confirmar no site antes de ir, pra isso não acontecer mais. Na outra semana tem seis pessoas. Depois tem cinco. Cinco é sacanagem. Você acaba com pelada. Organiza outra pelada. Outra pelada é só amigos, outra pelada é só alegria. Um dia você chega lá e só tem seis caras. Seis é foda.

Continuar lendo

12 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, citações, Desocupações, séries canceladas, teorias, Top, Vacilo