Arquivo da tag: via profissional

4 possíveis posturas para sobreviver em reuniões ligadas a assuntos sobre os quais você não entende absolutamente nada

creed

O anotador – E você foi pego de surpresa pela reunião. Um gerente morreu, seis coordenadores foram atropelados, três assistentes precisaram viajar e você, que estava para a escala de presença desse evento mais ou menos como o Alceu Valença está para o trono da Suécia, acabou sendo a única opção razoável para representar a sua área num encontro sobre a nova padronização de blowouts e gushers, para o qual você estaria totalmente preparado, não fosse achar que gusher era um tipo de comida judaica. Sentado na sala você nota que não apenas não conhece as pessoas, não entende do assunto e não sabe o que precisa fazer como também não teve acesso a brochura que todos estão consultando a cada palavra. Desesperado, você pega o caderno e começa a anotar. Sim, anotar. Anota o nome dos participantes, anota o local da reunião, anota o que explicam no quadro, anota os comentários e quando nota que realmente não está entendendo porra nenhuma começa a anotar a marca dos móveis, sua lista de compras e as capitais dos antigos países da União Soviética.

Na semana seguinte comentam com seu chefe o quanto você pareceu interessado e disposto e duas pessoas querem te chamar pra fazer as atas das próximas reuniões.

Continuar lendo

15 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, referências, situações limite, teorias, trabalho, vida profissional

Plano de Comunicação 2010 – Tentativa rejeitada #878

Tema: A nossa gerência é… [substitua aqui o “nossa gerência” pelo nome da sua gerência]

Ações previstas:

Nossa gerência é…amor: Será feita uma relação de todas as pessoas solteiras,separadas,desquitadas e/ou solitárias da gerência e isso será incluído em um banco de dados visando a busca de parceiros dentro da própria unidade através de encontros proporcionados pelo setor de comunicação e orientados por uma junta de gerentes. Esse programa visa não só elevar a moral dos funcionários, que não mais se sentirão abandonados ou rejeitados como também aumentar a produtividade da unidade, já que funcionários casados tendem a passar menos tempo em casa e buscar no trabalho um refúgio, o que aumentaria as horas extras e a dedicação ao trabalho, como válvula de escape. Outra vantagem da campanha seria a de tornar mais excitante o clima do ambiente de trabalho, com constantes discussões, bate-bocas, crises de ciúme e demonstrações públicas de hostilidade.

Continuar lendo

4 Comentários

Arquivado em trabalho, vida profissional