Arquivo da tag: viagem

Mini-conto #12: As incríveis aventuras espaciais de Adam Strange no planeta Rann

De madrugada o telefone tocou e era alguém procurando Orlando. Depois disso não consegui mais dormir direito, rolei na cama, tomei três copos d’água. Quando finalmente peguei no sono o despertador tocou, fui tentar caminhar em direção ao banheiro ainda de olhos fechados e bati com a cabeça na porta. Não achei meu chinelo, o aquecedor não funcionava, tomei banho frio. Tia da roupa não tinha vindo na véspera, vesti aquela calça jeans de quando eu estava gordo, coloquei a camisa que estava em cima da cadeira. Essa era a que eu tinha separado pra lavar na noite anterior porque tinha uma mancha de molho na manga. Só notei quando já estava dentro do metrô.

Continuar lendo

9 Comentários

Arquivado em contos, Ficção, romantismo desperdiçado, Vida Pessoal

Breves fenômenos contemporâneos da dissociação cognitiva: “A síndrome das férias”

Primeiro estágio: contaminação – Tudo começa com a aproximação do período das férias. Aquele seu amigo, antes articulado, cheio de assuntos e capaz de numa mesma conversa abordar temas tão variados quanto o nono segredo de fátima, mineração em áreas de grande profundidade, bukkake e porque é impossível cancelar qualquer plano na blockbuster – ainda que você ache que essa parte da blockbuster tenha sido meio forçada e nada orgânica em termos de papo – subitamente se torna uma criatura total e absolutamente monotemática, conseguindo falar apenas sobre as próprias férias. Onde elas vão ser, o que ele vai fazer, como é o hotel, como é o avião, como ficou a foto no passaporte, quais bermudas ele comprou, qual gorrinho ele vai levar e como ele planeja voltar com 12 ipads, todos fora da mala, alegando que é pra uso pessoal. A sensação coletiva que, antes era de simpatia (“ah, que bom, cara, suas férias”), rapidamente se transforma em indiferença (“é, eu sei, cara, são suas férias”) e caminha em direção a antipatia (“mas porra, só fala dessas férias, cacete”) podendo em casos extremos chegar até mesmo ao ódio puro (“tomara que um puma leproso te lamba a cara e um tubarão te coma, fdp. e dane-se se suas férias são em quebec”).

Continuar lendo

10 Comentários

Arquivado em é como as coisas são, Mundo (Su)Real, situações limite, teorias, Vida Pessoal

Top 5 – Férias 2010

Inglaterra – Primeira parada da viagem, a terra dos Beatles me ganhou de cara com sua culinária apurada (cerveja, cerveja, cerveja e alguma fritura pra não ficar tomando cerveja de estômago vazio), seu ambiente multicultural (todos os indianos me cumprimentavam e acho que vários deles me apoiariam numa briga) e sua língua que eu conseguia falar (ainda que eu me perdesse no sotaque). Apesar de algumas diferenças culturais profundas em relação ao Brasil (em Londres é habitual, por exemplo, que o cara gaste três vezes o tempo que a mulher gasta no processo de escolha de roupas, além de ser padrão o uso de calças jeans coladas, mesmo para gordinhos malandros), a passagem pela Inglaterra foi repleta de grandes momentos, como a visita a Wembley, ao Museu Britânico, ao Museu de Cera e ao University College Hospital, que não tinha nenhuma exposição legal, mas é muito útil quando você toma um tombo dentro de um pub e precisa tomar uns pontos na boca. True story.

Continuar lendo

26 Comentários

Arquivado em Desocupações, Vida Pessoal

Secretária eletrônica

O João, assim como o blog dele, encontra-se de férias até o dia 18/10. Caso você queira deixar alguma mensagem é só dizer após o bip. Não, brincadeira, vai ter que escrever nos comentários mesmo. Mas enquanto ele não volta, o clipe de Buddy Holly vai ficar ocupando a tela inicial do blog, apenas pelo lulz e porque Weezer é sensacional. Um forte abraço e até outubro, amigos.

10 Comentários

Arquivado em Declaração de princípios, Desocupações, Sem Categoria, Vida Pessoal, vida profissional

Estou só indo ali pra comprar um maço de cigarros e volto em um mês (ou o post de férias)

Finalmente as férias chegaram. Sim, as férias. Aqueles 30 dias de alegria que justificam aqueles 11 meses acordando cedo, indo trabalhar de ressaca, ouvindo pessoas em reuniões, apresentando trabalhos para chefes, tendo que fazer a barba ou ficando em frente a um computador sem poder acessar o twitter, ler scans de quadrinhos ou tentar fechar Diablo 2. Sim, aqueles 30 dias nos quais o final de domingo é divertido e não melancólico, o cabelo não precisa ser cortado, o pijama pode ser o traje de trabalho/passeio/viagem e o único ponto com o qual você precisa se preocupar é aquele ponto adicional da NET pra não precisar nem mesmo sair da cama. Sim, férias, meus amigos.

E como já foi dito aqui bem mais vezes do que o necessário, eu estou indo numa longa e simpática viagem que, se tudo deu certo e meu avião não foi seqüestrado por piratas somalis, começou anteontem, fazendo com que hoje eu já esteja em Londres (sim, eu programei esse post. não, eu não estou nesse momento dentro de uma lan house no Soho atualizando meu blog) curtindo essas que são não apenas as minhas primeiras férias internacionais como também as primeiras que eu tiro desde o sétimo período da faculdade (não que eu tenha trabalhado o tempo todo desde então, mas estar desempregado não é igual a estar de férias, sério). Ou seja, epic win, endless glory e all fun and games (until someone loses an eye, claro).

Continuar lendo

13 Comentários

Arquivado em Good News, No News, Vida Pessoal

London calling to the faraway towns

Eu nunca fui do tipo que tem tesão em viajar. Sabe essa coisa de conhecer novos lugares, novas pessoas? Me dá preguiça. Mudar de ares, aceitar a mudança? Nãão, acho que não. Conhecer novos mundos, novas civilizações? Acho que vou deixar passar, desculpa, Capitão Kirk. Eu simplesmente sempre fui do tipo que tem preguiça demais, cansaço demais, acomodação demais, um monte de coisas demais, pra se animar com viagens, turismo, grandes deslocamentos geográficos (se dependesse de mim a humanidade nunca teria cruzado o Estreito de Bering, por exemplo. já viu a distância daquilo?o continente americano é tão legal assim? sério mesmo?) e derivados. O que, é claro, nunca representou problema algum já que até pouco mais de um ano atrás o máximo de turismo que eu poderia fazer era visitar meus avós ou ir passar uns dias na minha antiga república em Viçosa.

Continuar lendo

26 Comentários

Arquivado em Good News, No News, Vida Pessoal

Pequenos diálogos que fazem com que as pessoas te achem esquisito # 8766

“Interessante isso, não? Isso que o palestrante disse”

“É…Mas você sabe o que é interessante mesmo?”

“O que?”

“O misto frio, você já parou pra pensar?”

“No que?”

“Tipo, a gente chama o misto quente de misto quente porque ele é quente, certo? A gente esquenta ele. Mas a gente não esfria o misto frio. A gente come ele em temperatura ambiente. Então ele deveria ser misto morno, não?Misto ambiente, sei lá…”

“…”

“Cara, simplesmente não faz sentido!”

“…”

17 Comentários

Arquivado em Mundo (Su)Real

Top 4 – Lições profundamente transformadoras involuntariamente aprendidas neste último feriado

Eu não devo viajar com casais: Porque por mais que eles sejam casais formados por grandes amigos, pessoas de quem eu gosto demais e por cuja felicidade eu torço como se fosse a minha, em certos momentos, principalmente naqueles que envolvem pôr-do-sol na beira da praia, todo mundo se beijando, um cara cantando Bon Jovi pra uma garota, nuvens cor-de-rosa e balões com coraçõezinhos flutuando no ar, ser a única pessoa realmente solteira do grupo é um tanto quanto desconfortável. E me desculpem se no calor do momento eu usei expressões como “eu poderia me matar agora”, “bando de insensíveis malditos” ou “não querem pegar uns bastões e terminar o serviço, bastardos?”, o que eu queria dizer era apenas “desconfortável” mesmo. (e mãe, nessas horas você precisa atender o telefone, ok? dizer que está ocupada num momento assim afeta bastante a minha auto-estima, pô)

Continuar lendo

15 Comentários

Arquivado em Mundo (Su)Real, Sem Categoria, Vida Pessoal

Pequeno post sobre o momento mais anticlimático da minha páscoa

Meu primeiro vôo, com conexão em Congonhas (aquele aeroporto que fica na garagem de um prédio), poltrona de janela, perto da asa. Fico sentado ao lado de uma senhora gorda e de um bebê que começou a chorar no instante em que entrou no avião. O capitão anuncia pelo sistema de som que se chama Carlos Alberto (momento esse em que apenas eu ri, o que me faz pensar que a seleção de 70 merece ser lembrada com mais carinho pelos torcedores) e que o vôo vai atrasar porque uma outra aeronave, do mesmo modelo, sofreu um problema técnico grave e não pôde decolar. E aí, no momento em que todo o cenário parecia desenhar uma óbvia crise de pânico, um épico momento de desespero, uma chance clássica para chorar tal qual uma garotinha, eu…pego no sono antes mesmo da decolagem e sou acordado pela comissária de bordo já em outra cidade.

Em dois dias mais posts sobre aviões, Macaé, feriados e mais temas anticlimáticos.

9 Comentários

Arquivado em Mundo (Su)Real, Vida Pessoal

The airplane song

Eu nunca viajei de avião. Não sei se isso chega a ser uma surpresa dado o imenso número de coisas que eu nunca fiz (eu nunca disputei uma partida de futebol profissional, eu nunca desenhei a mão livre um círculo decente, eu nunca pilotei um tanque de guerra, eu nunca me vesti de cachorro, eu nunca fiquei com uma ruiva, eu nunca fui arauto de Galactus, o devorador de mundos, eu nunca toquei numa banda, eu nunca fui exorcizado pelo pastor Silas Malafaia e por aí vai) mas é uma dessas coisas com as quais eu realmente nunca me preocupei e sobre as quais eu admito que nunca tive curiosidade. Tipo, avião, voa, entendi, ok, tudo bem, se for pra acontecer vai acontecer, se não for não vai e tudo mais.

Continuar lendo

13 Comentários

Arquivado em Desocupações, Mundo (Su)Real, Sem Categoria